Repórteres Sem Fronteira culpa Israel por ataques a jornalistas

A organização Repórteres Sem Fronteira alerta que, desde meados de 2001, 47 jornalistas foram feridos no conflito entre israelenses e palestinos. A entidade fez o anúncio depois da morte do jornalista italiano Raffaele Ciriello ocorrida quarta-feira em Ramallah, e acusa o Exército de Israel de ser responsável pela maioria dos incidentes.A entidade pede agora que uma investigação seja feita sobre as circunstâncias dos ataques. "Há meses estamos denunciando a impunidade com que as tropas israelenses disparam contra jornalistas", afirmou o secretário da entidade, Robert Ménard.No caso de Ciriello, as informações são de que o jornalista teria sido atingido por seis balas de metralhadora de tanque ao evidenciar a tomada de Ramallah pelo Exército de Israel. O italiano ainda foi levado pelos palestinos a um hospital local, mas morreu antes de ser operado.O que mais preocupa a entidade é que, um dia antes da morte de Ciriello, tropas israelenses abriram fogo contra cerca de 30 jornalistas que observavam do balcão de um hotel a invasão pelo Exército de Israel do campo de refugiados pelestinos Al-Amari.Um porta-voz das Forças Armadas mais tarde teria se desculpado pelo incidente, alegando que as tropas teriam confundido os jornalistas com terroristas palestinos.Os Repórteres Sem Fronteira ainda ressaltam que os jornalistas internacionais foram impedidos de entrar em Ramallah durante a maior parte da ofensiva de Israel na cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.