Representante chinês viaja ao Irã tentar resolver crise nuclear

O assistente do ministro de Assuntos Exteriores da China, Cui Tiankai, viajará ao Irã para tentar resolver a atual crise nuclear, informou a agência estatal "Xinhua", que não detalha quantos dias durará a visita.O Irã ameaçou neste domingo retirar-se da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) se forem privados dos seus "direitos inalienáveis"."Se o resultado de pertencer a organizações internacionais, incluindo a AIEA, é privar o Irã de seus direitos inalienáveis, nossa retirada deste tipo de organismos está bem justificada", afirmou o presidente do Parlamento de Teerã, Gholam Ali Haddad Adel, segundo a imprensa iraniana, citada pela "Xinhua".Até o momento, o Irã insistiu em seu direito, como membro do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), de desenvolver seu programa nuclear com fins pacíficos, e assegurou que o único propósito de suas atividades é gerar eletricidade.No dia 31 de julho, o Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) pediu a Teerã que suspenda "todas as suas atividades de enriquecimento de urânio" no prazo de um mês, sob pena de ser sancionada.A mediação de China e Rússia foi decisiva para evitar que as sanções fossem imediatas.Estes dois países defenderam o direito do Irã de desenvolver sua própria indústria nuclear com fins pacíficos e insistiram para que a crise seja resolvida pela via diplomática.Os Estados Unidos acusam o Irã de ter um programa nuclear com fins militares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.