Representante da ONU pede poder compartilhado no Zimbábue

Um mês após eleição presidencial, resultado é desconhecido; embaixador pede governo de unidade nacional

Agências internacionais,

29 de abril de 2008 | 09h26

Independente de quem vencer as eleições presidenciais no Zimbábue, o país deverá formar um governo de unidade nacional, segundo afirmou nesta terça-feira, 29, o embaixador do Zimbábue na Organização das Nações Unidas (ONU), Boniface Chidyausiku, à BBC. "Não há o que um possa fazer sem o outro", disse Chidyausiku, argumentando que nenhum dos lados efetivamente pode controlar o Parlamento. O representante é a terceira pessoa ligada ao governo que sugere a formação de um governo de coalizão em uma semana. Os resultados da recontagem dos votos parlamentares devem ser confirmados em poucos dias, quando começará a verificação do pleito presidencial. Um relatório da situação no Zimbábue será apresentado ao Conselho de Segurança da ONU nesta terça, um dia após os opositores do Movimento para a Mudança Democrática (MDC, sigla em inglês) pedir que as Nações Unidas mandem um enviado especial e alertem o presidente Robert Mugabe de que o crescimento da violência contra a oposição é considerado "crime contra a humanidade" O partido afirma que 15 de seus apoiadores foram mortos desde as eleições de 29 de março e centenas tiveram que fugir de suas casas. Os aliados de Mugabe afirmam que as denúncias sobre a escalada de violência são um exagero. O jornal estatal The Herald afirmou que membros de oposição atacaram um campo de treinamento do Exército, onde mataram uma pessoa.

Tudo o que sabemos sobre:
Zimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.