Representante da ONU se reúne com líder rebelde no Congo

Olusegun Obasanjo acredita que a crise no leste do país possa ser resolvida pela via política e diplomática

29 de novembro de 2008 | 16h10

O ex-presidente nigeriano Olusegun Obasanjo, enviado especial da ONU à República Democrática do Congo (RDC), chegou neste sábado, 29, à província de Kivu Norte, leste do país, onde deve se reunir com o líder do grupo rebelde Congresso Nacional para a Defesa do Povo (CNDP), Laurent Nkunda. Obasanjo chegou a Goma, a capital de Kivu Norte, em um avião da Missão de Paz das Nações Unidas no Congo (Monuc) e dali será levado de helicóptero até Rutshuru, localidade em poder do CNDP, para se encontrar com Nkunda, informaram fontes da ONU. Em declarações à imprensa, Obasanjo disse que primeiro precisa fazer muitas perguntas ao líder rebelde e que, então, saberá como prosseguir as conversas sobre o que aconteceu na região desde sua primeira visita, no dia 16. Dois dias depois dessa visita, o CNDP anunciou que começava a se retirar até 40 quilômetros das frentes de batalha ao norte de Goma para que as tropas da ONU ocupassem as regiões, dando, assim, uma oportunidade para que desse frutos a missão de paz do enviado especial do secretário-geral da organização, Ban Ki-moon. Ao mesmo tempo, o CNDP pediu à Monuc que velasse pela segurança nas zonas de separação e que garantisse que nenhuma outra força as ocupasse, pois, em caso contrário, anularia imediatamente a decisão de se retirar delas. Obasanjo, que viaja acompanhado do ex-presidente tanzaniano Benjamin Mkapa, que representa a União Africana (UA), reuniu-se na quinta-feira em Kinshasa com o presidente do Congo, Joseph Kabila. Após o encontro, o representante da ONU manifestou otimismo com que a crise no leste do Congo possa ser resolvida pela via política e diplomática até quando o Governo de Kabila se nega taxativamente a manter conversas diretas com Nkunda e insiste em que as negociações devem ocorrer no marco do chamado Processo Amani. O Processo Amani prevê que os combatentes sejam desmobilizados e integrado às fileiras do Exército do Congo. A Monuc informou ainda que continuam os confrontos que começaram na quarta-feira entre o CNDP e os milicianos de outro grupo aliado do Governo, os Patriotas da Resistência Congolesa (Pareco) em Tchugi, em Masisi, 90 quilômetros ao oeste de Goma. O organismo da ONU afirma que o grupo rebelde está em choque com as milícias mai-mai nas localidades de Kalonge, Kibabi, Kinidi e Kalembe, também no território de Masisi.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUNigériaCongo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.