Efe/Divulgação/UE
Efe/Divulgação/UE

Representante da UE se reúne com Morsi e diz que ele está bem

Reunião com líder deposto, preso desde o golpe, ocorre em meio à pressão do bloco para libertá-lo

O Estado de S. Paulo,

30 de julho de 2013 | 09h37

Os governantes do Egito permitiram que uma enviada da União Europeia se reunisse com o presidente deposto Mohamed Mursi, dando a um estrangeiro acesso a ele pela primeira vez desde que foi deposto e preso pelo Exército há um mês.

A chefe de política externa da UE, Catherine Ashton, disse nesta terça-feira, 30, que encontrou Mursi em bom estado de saúde. Ela revelou pouco sobre a conversa de duas horas que teve com o líder islâmico deposto, após ter sido levada a um local não revelado para visitá-lo.

"Eu tentei assegurar que a família dele saiba que ele está bem", disse Ashton, que surgiu como uma das únicas figuras aceitas por ambos os lados como possível mediadora de um conflito que mergulhou o mais populoso país árabe em um violento confronto.

Ashton disse que Mursi tem acesso à televisão e foi informado sobre a situação no país. Cerca de 300 pessoas foram mortas na violência desde que ele retirado do poder, em 3 de julho.

A diplomata disse que encontrar Mursi foi uma pré-condição de sua oferta para visitar o Egito, onde também reuniu-se com o general que o derrubou e outros líderes. "Eu disse que não viria a menos que pudesse vê-lo (Mursi)", afirmou.

A mídia tem feito especulações sobre os motivos que levaram os governantes militares a permitirem que Ashton encontrasse o líder deposto, que era mantido incomunicável durante um mês. Ela negou que tivesse levado uma oferta a Mursi de "saída segura", caso ele abrisse mão de reivindicar à Presidência.

Os governantes do Egito dizem que Mursi está sendo investigado por acusações que incluem assassinato, decorrente de uma fuga da prisão em 2011 durante os protestos contra o ex-governante autocrata Hosni Mubarak.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.