Representante de Bush na ONU preocupa a organização

As Nações Unidas (ONU) estão preocupadas com o futuro das relações entre os Estados Unidos e a organização. O motivo é a nomeação do novo representante do presidente George W. Bush nas Nações Unidas, Kim Holmes, um dos funcionários de maior prestígio no Departamento de Defesa dos Estados Unidos. O problema é que o representante norte-americano ficou conhecido, nos últimos meses, por ser um dos maiores opositores à participação dos Estados Unidos no Tribunal Penal Internacional (TPI), criado há poucos meses. Ele ainda é contra a adesão da Casa Branca ao Protocolo de Kyoto, sobre o clima, e de ser totalmente a favor de uma guerra contra o Iraque. Tanto o TPI como o Protocolo de Kyoto são dois dos temas de maior interesse hoje na ONU. O TPI é visto como uma revolução na idéia de justiça internacional e Kyoto é considerado o único instrumento existente que poderá obrigar os países a reduzirem os níveis de emissão de gases na atmosfera. Além disso, Holmes é contra a idéia da Europa ter seu próprio exército e, portanto, defende a manutenção da dependência dos europeus ao poder militar de Washington. O norte-americano também é um dos diretores da Heritage Foundation, uma das instituições mais conservadoras de Washington. Especialista em assuntos de defesa, Holmes ainda já fez parte do Pentágono e é entusiasta do programa de defesa antibalística proposta pela Casa Branca. Com todas essas credenciais, Holmes está sendo um motivo de preocupação a mais para os funcionários da ONU, já que será a pessoa encarregada de conduzir a política "multilateral" de Washington nos próximos meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.