Representante venezuelano lê mensagem de Chávez em cúpula

Presidente lamentou ausência no evento; Villegas havia dito que o líder bolivariano ainda sofre problemas respiratórios

estadão.com.br,

22 de fevereiro de 2013 | 11h22

CARACAS - Elías Jaua, representante venezuelano na Cúpula América do Sul-África, que ocorre a partir desta sexta-feira, 22, na Guiné Equatorial, leu uma mensagem do presidente Hugo Chávez aos presentes lamentando não ter conseguido viajar para o encontro. (veja vídeo com a leitura da carta, em espanhol, abaixo)

Na noite de quinta-feira, o ministro de Informação venezuelano, Ernesto Villegas, informou que o líder bolivariano ainda sofre com problemas respiratórios e não tem respondido favoravelmente ao tratamento.

"A insuficiência respiratória que surgiu no pós-operatório persiste e a tendência não é muito favorável, mas ele mantém o tratamento", disse Villegas, lendo um comunicado na televisão estatal. "Por outro lado, o tratamento para o câncer continua sem apresentar efeitos colaterais significativos até o momento."

"O presidente permanece em comunicação com seus parentes, com o grupo político de seu governo e em cooperação próxima com seus médicos", declarou Villegas, acrescentando que "Chávez mantém seu apego a Cristo, com grande desejo de viver".

Foi a primeira vez que um boletim sobre a saúde de Chávez foi divulgado desde seu retorno surpresa ao país na segunda-feira, após mais de dois meses em Cuba, para onde viajou para se tratar de câncer. O governo não divulgou nenhuma imagem de Chávez desde que ele voltou à Venezuela, o que fez com que alguns venezuelanos questionassem se ele está realmente no hospital.

Caravanas de utilitários, escoltados por soldados em motocicletas chegaram e partiram nos últimos dias, levando autoridades como o vice-presidente, Nicolás Maduro, e o presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, que estão entre as poucas pessoas que têm visto Chávez no hospital.

O governo não forneceu detalhes sobre as pessoas que visitam Chávez. O presidente boliviano Evo Morales disse na quarta-feira que reuniu-se apenas com parentes e médicos, mas não viu seu colega quando esteve no hospital.

Funcionários do hospital recusam-se a falar sobre o presidente. Eles afirmam apenas que a segurança do andar onde Chávez está foi reforçada. A administração do hospital não respondeu aos telefonemas com pedidos de informações.

Chávez falou pela primeira vez sobre sua doença em junho de 2011, mas até hoje não divulgou o tipo de câncer que o acometeu. A doença já apresentou duas recorrências e o presidente passou por quatro cirurgias. Aos 58 anos, Chávez sofreu complicações ligadas ao sangramento excessivo durante a última operação, realizada em 11 de dezembro e contraiu uma infecção respiratória durante a recuperação.

As informações são da Dow Jones e da Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.