Reuters / Enrique de la Osa
Reuters / Enrique de la Osa

Representantes da Igreja Católica da Colômbia se reúnem com as Farc em Cuba

Guerrilha pediu que bispos colombianos consigam que o papa Francisco se reúna com negociadores de paz na visita que fará a Cuba em setembro

O Estado de S. Paulo

18 de agosto de 2015 | 15h21

HAVANA - Os negociadores das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) se reuniram na segunda-feira em Havana com representantes da Conferência Episcopal da Colômbia, segundo confirmou a delegação da guerrilha que participa dos diálogos de paz com o governo de Juan Manuel Santos.

A guerrilha solicitou aos bispos da Colômbia que consigam que o papa Francisco se reúna com os negociadores de paz colombianos durante sua visita a Cuba, prevista para ocorrer entre os dias 19 e 22 de setembro.

"Falamos hoje sobre o processo de paz com a Conferência Episcopal em Havana", detalhou o chefe negociador do grupo insurgente, Ivan Márquez, codinome de Luciano Marín Arango, em sua conta no Twitter.

Segundo o chefe negociador das Farc, participaram do evento o presidente da Conferência Episcopal colombiana, o monsenhor Luis Augusto Castro, o secretário, padre Darío Echeverri, e o monsenhor Nel Beltrán.

"Somos otimistas. Estamos avançando no cessar-fogo bilateral e na justiça. A igreja renovou seu compromisso com a paz da Colômbia", acrescentou Márquez em outro tuíte.

A entrevista com o papa “obviamente não depende nem da Igreja (Católica colombiana), nem da delegação do governo e nem das Farc”, pois é “uma decisão do Vaticano e do Estado cubano”, destacou o comandante Carlos Antonio Lozada, um dos chefes rebeldes que compareceram ao encontro.

A delegação da Conferência Episcopal da Colômbia esteve reunida durante cerca de duas horas com os delegados do grupo rebelde para as negociações de paz. O governo colombiano e as Farc negociam desde 2012 um acordo para colocar um fim no conflito armado que já deixou 220 mil mortos. /EFE e AFP

Tudo o que sabemos sobre:
CubaFarcIgreja

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.