Repressão a manifestantes deixou 62 mortos em Trípoli, diz ONG

Conta reúne números de apenas dois hospitais de Trípoli; até o domingo, 233 morreram no leste

estadão.com.br,

22 de fevereiro de 2011 | 12h11

A organização de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) disse nesta terça-feira, 22, que ao menos 62 pessoas morreram em Trípoli desde que os protestos contra o ditador Muamar Kadafi chegaram à cidade, há dois dias.

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

mais imagens Galeria:   Veja imagens dos conflitos

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Acompanhe os protestos na região

A conta reúne apenas os mortos de dois hospitais de Trípoli. A ONG já havia contabilizado 233 mortos quando as manifestações eram restritas ao leste do país.

De acordo com a HRW, forças de segurança da Líbia têm atirado indiscriminadamente contra manifestantes e civis. "Eles têm pessoas armadas patrulhando as ruas e eles atiram à esmo em quem quer que saia", disse uma testemunha à ONG.

Segundo outro manifestante ouvido pela instituição, os hospitais de Trípoli não foram poupados pelos capangas de Kadafi. "O hospital Abu Salim foi invadido. Eu vi gente tirar a camisa e ficar de peito aberto para os atiradores. Nunca vi nada assim. Me envergonhei de ter me escondido em uma árvore, mas sou humano.

"Qualquer um - inclusive Muamar Kadafi, que ordene ou cometa atrocidades deve saber que responderá por suas ações", disse a diretora para Oriente Médio e África da ONG, Sarah Leah Whitson.

Leia ainda:

linkAtaques na Líbia podem ser crimes contra a humanidade, diz ONU

linkAviões militares retomam ataques contra manifestantes

linkNa televisão, Kadafi ignora protestos e pressão internacional

linkConselho de Segurança da ONU discutirá crise líbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.