Salvatore Nolfi/Efe
Salvatore Nolfi/Efe

Repressão a protesto na Síria mata 15

Forças de segurança de Assad usam munição real contra manifestantes na cidade de Daraa

, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2011 | 00h00

DAMASCO

Forças de segurança do governo sírio atacaram ontem a Mesquita Al-Omari, na cidade de Daraa, no sul do país, e mataram ao menos 15 pessoas. A mesquita é o local onde se concentram as manifestações contra o regime do presidente Bashar Assad.

Os protestos na Síria começaram no dia 15, em Damasco, após uma convocação feita no Facebook. Assim como ocorre em outras partes do mundo árabe, os dissidentes pedem abertura política e o fim da repressão.

Desde o início dos protestos, 22 pessoas morreram e dezenas de opositores foram detidos. Assad assumiu o poder em 2000, após a morte de seu pai, Hafez, que governava a Síria desde 1971.

Segundo o Comitê Sírio de Direitos Humanos, organização com sede em Londres, autoridades do país assassinaram a tiros o soldado Khaled al-Masri, que teria se recusado a participar do ataque a civis em Daraa. As autoridades sírias afirmam que a violência é culpa de "facções estrangeiras que pregam mentiras sobre a situação em Daraa". A cidade, a cerca de 100 quilômetros da capital, está cercada pelo Exército e pelas forças especiais.

Segundo testemunhas, os militares estariam usando munição real contra os manifestantes. Moradores de cidades próximas, como Inkhil, Jasim, Khirbet Ghazaleh e Harrah, tentaram ontem entrar em Daraa, mas foram recebidos com fogo pesado pelas forças de segurança.

Os manifestantes marcaram para amanhã novo dia de protestos em várias cidades do país. Eles pretendem aproveitar a sexta-feira - dia de orações para os muçulmanos.

O governo francês pediu ontem a Damasco que ponha fim no "uso excessivo da força contra manifestantes" e condenou a violência do regime de Assad. Mark Toner, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, disse que a Casa Branca está "muito preocupada" com o uso da violência por parte do governo sírio. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.