Reuters
Reuters

Repressão deixa mais 50 mortos na Síria, diz oposição

Forças de segurança 'sequestraram' civis e bombardearam setores da cidade de Homs

Efe

06 de dezembro de 2011 | 08h49

CAIRO - Pelo menos 50 pessoas morreram na segunda-feira na cidade central de Homs, uma das fortificações da oposição ao regime da Síria, pela repressão das forças leais ao presidente Bashar al Assad, denunciou nesta terça, 6, o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

 

Veja também:

especialMAPA: A revolta que abalou o Oriente Médio

tabela HOTSITE: Repressão e violência na Síria

 

O grupo opositor explicou que um ativista relatou que viu os corpos de 34 pessoas "sequestradas" na segunda por pistoleiros do regime em uma praça do bairro de Al Zahra, em Homs. O Observatório apontou que vários distritos da cidade foram objeto de intensos bombardeios durante o dia, como o bairro de Al-Jalidiya, onde duas pessoas morreram e nove ficaram feridas, entre elas um menor que perdeu a mão.

 

Além disso, quatro pessoas, entre elas três membros da mesma família, perderam a vida após disparos em um posto de controle na zona de Dir Balia, enquanto um jovem morreu alvejado por franco-atiradores no bairro de Al Bayada e outro no distrito de Yurat al Shaia durante um funeral.

 

No bairro de Karam al-Zeitun, as forças de segurança irromperam em várias casas e mataram duas pessoas, assinalou o Observatório, que acrescentou que outro civil faleceu na região de Al-Gota, em Homs, após um ataque de seis veículos blindados.

 

A essas vítimas se somam um jovem morto por disparos dos efetivos de segurança na estrada que liga essa cidade a Tartús, junto à costa mediterrânea, dois falecidos nos arredores de Homs e outro em Telbise, na mesma província. Estas informações não puderam ser verificadas de forma independente devido às restrições impostas pelas autoridades sírias aos jornalistas.

 

Sanções

 

Na segunda, a Liga Árabe decidiu manter as sanções econômicas impostas à Síria e rejeitou dar novas oportunidades a Damasco para que aceite o plano árabe e uma missão de observadores para pôr fim à crise. Desta forma, o órgão respondeu às novas condições colocadas pelo regime sírio para aceitar o envio de observadores a seu território.

 

O número de vítimas pela repressão às manifestações contrárias ao Governo da Síria desde março já supera 4 mil, assinalou na última quinta-feira a alta comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) de Direitos Humanos, Navi Pillay. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.