Repressão israelense provoca aumento de violência sexual entre palestinos

A repressão israelense provocou o aumento da violência e de abusos sexuais nos territórios palestinos, onde também se registra um crescimento da prostituição, afirmaram especialistas durante o congresso internacional "Prostituição, Pornografia e Guerra", em Tel Aviv. O encontro abordou hoje algumas das mais preocupantes conseqüências do conflito entre Israel e palestinos. Quanto mais precárias são as condições da população nos territórios ocupados, o comércio e a violência sexuais prosperam.Segundo um advogado palestino de Jerusalém Oriental, Walid Zchalka, depois da intifada (revolta palestina) e de sua repressão por parte dos militares israelenses, violências sexuais das mais variadas formas se multiplicaram entre palestinos. Em particular, afirma Zchalka, trata-se de violência no ambiente familiar. Os longos períodos de toque de recolher, o desemprego endêmico, a exposição a programas pornográficos oferecidos pela televisão por satélite são, na opinião de Zchalka, algumas das razões da violência desencadeada dentro das residências.Trancados em casa pelo toque de recolher imposto por Israel, "acontece de meninas serem vítimas dos desejos de seus irmãos maiores", contou o advogado. Segundo ele, este fenômeno era desconhecido pela sociedade palestina durante a primeira intifada, "quando toda a população fazia parte ativamente da revolta, e não se via obrigada a passar longos períodos em sua residência". De acordo com a doutora Dalilah Amir, da Universidade de Tel Aviv, a violência sexual familiar não ocorre apenas nos territórios palestinos, mas também em Israel. Amir citou o caso de um militar da reserva que depois de ter visto os horrores de Jenin, Cisjordânia, levou a violência à sua casa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.