AFP PHOTO / Juan BARRETO
AFP PHOTO / Juan BARRETO

Repressão na Venezuela não permitiu eleições livres, diz representante da ONU

Alto comissário das Nações Unidas para Direitos Humanos disse em março que estava preocupado com a repressão e a falta de liberdade de opinião no país; para ele, as condições não mudaram desde então

Jamil Chade, correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

22 Maio 2018 | 07h43

GENEBRA - A ONU alerta que as condições nas quais ocorreu a votação na Venezuela no fim de semana, inclusive a repressão, não garantiram que a eleição pudesse ser considerada livre. 

+ Beleza roubada - Os cafetões do Miss Venezuela

+ Cenário: No horizonte, uma crise entre os oficiais do Exército

"Já em março, o alto comissário da ONU para Direitos Humanos, Zeid Al-Hussein, indicou que estava preocupado com a repressão, falta de liberdade de opinião, associação, e que não existiam condições mínimas para uma eleição livre", declarou nesta terça-feira, 22, Ravina Shamdasani, porta-voz do Alto Comissário da ONU para Direitos Humanos. Para a entidade, as condições não mudaram desde então. 

+ Entenda os cinco anos turbulentos na Venezuela de Maduro

+ No Brasil, número 2 da chancelaria dos EUA discutirá crise da Venezuela

No fim de semana, Nicolás Maduro venceu as eleições presidenciais na Venezuela, levando diversos governos a denunciar uma "farsa eleitoral". Vários países latino-americanos retiraram seus embaixadores de Caracas, enquanto o governo americano anunciou novas medidas de sanção contra chavistas. Rússia e China, porém, saíram a favor de Maduro, alertando contra interferências externas no país. 

O secretário-geral da ONU, António Guterres, também deixou claro sua preocupação e insistiu que as lideranças políticas precisam lidar com os problemas do país dentro das leis do "estado de direito". "Mais além da situação política, estamos preocupados diante dos grandes desafios que continuam prejudicando severamente o bem-estar e o sustento de sua população", disse ele por meio de seu porta-voz.

Esta não é a primeira vez que o representante da ONU critica o governo de Maduro. Em agosto, a entidade já havia alertado que a democracia em Caracas estava "à beira da morte". Ela também apontou que não descartava que o regime do chavista na Venezuela pudesse ter cometido crimes contra a humanidade. 

De acordo com a ONU, o terror como política de estado incluiu violações sistemáticas de direitos, uma política de execuções extrajudiciais, torturas, prisões arbitrárias, desaparecimentos forçados, destruição de casas e milhares de feridos, inclusive com o uso de grupos paramilitares. "O uso generalizado e sistemático da força excessiva denota que não se trata apenas de atos ilegais ou insubordinações de funcionários isolados", alertou a entidade. A meta seria "impedir manifestações, sufocar a dissidência e espalhar o medo".

Na avaliação das Nações Unidas, é a democracia que está golpeada. "Ao longo do tempo, vimos uma erosão da vida democrática na Venezuela e passos mais recentes de apoio ao sentimento de que o que resta de democracia está sendo espremido", disse Zeid Al-Hussein no fim de 2017. Ele lembrou que, de fato, Maduro foi eleito pelo voto popular. "Mas desde então houve uma erosão", insistiu. "Ela (democracia) mal está viva, se é que está viva."

Mais conteúdo sobre:
Venezuela [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.