Repressão oficial mata mais 23 na Síria, dizem ativistas

Ativistas da Síria afirmaram nesta segunda-feira que 23 pessoas foram mortas na repressão oficial a protestos no domingo. Entre elas foram mortas 16 pessoas em Homs, no centro do país, onde um grupo pediu intervenção internacional.

AE, Agência Estado

07 de novembro de 2011 | 09h42

O Conselho Nacional Sírio afirmou que Homs é uma "zona de desastre" e pediu proteção internacional na área, com a presença de observadores internacionais. A repressão oficial já dura sete meses na Síria e, segundo as Nações Unidas, deixou mais de 3 mil mortos.

O governo do presidente Bashar Assad reprime protestos pacíficos por mais democracia e pela mudança da liderança. Homs está cercada por forças oficiais e ocorrem na cidade mortes frequentes, também em confrontos entre soldados e supostos desertores do Exército. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Síriapolíticaviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.