Repressão policial a protestos deixa um morto e dez feridos no Iêmen

Manifestações no país já se estendem por três semanas; protestos exigem fim do atual regime

estadão.com.br

17 de fevereiro de 2011 | 16h10

Imagem dos enfrentamentos desta quinta-feira na capital Sanaa.

 

ÁDEN - Ao menos uma pessoa morreu e outras dez ficaram feridas no Iêmen nesta quinta-feira, 17, quando a polícia agiu para dispersar uma manifestação contra o governo do país, um dos mais pobres do Oriente Médio. O balanço é baseado em dados de hospitais da cidade de Áden, onde ocorreu a morte, segundo informações da agência de notícias AFP.

 

Veja também:

especial Infográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: veja imagens dos protestos

blog Radar Global: Protestos no mundo islâmico

 

"Um morto foi transportado para nosso hospital. Também chegaram quatro pessoas baleadas", disse um responsável do centro médico al-Jumhuria. A fonte considerou o estado dos feridos como "muito grave". Outros quatro feridos a bala foram levados ao hospital Naqib, segundo funcionários do local, e outros dois em Wali. As marchas seguiam em vários bairros da cidade.

 

Os enfrentamentos entre simpatizantes do governo e opositores no Iêmen deixou dois mortos e 20 feridos na quarta-feira. Os protestos exigem a queda do presidente Ali Abdullah Saleh, no poder há 32 anos, e a melhora da situação econômica no país. As forças de segurança também interferiram nas marchas nos dias anteriores.

 

Além do Iêmen, há protestos em outros países do Oriente Médio, como o Bahrein e o Irã, e em nações do norte da África, como a Líbia. As manifestações são inspiradas nas revoltas populares do Egito e da Tunísia, onde ditaduras que duravam décadas foram derrubadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.