Repressão violenta do regime sírio deixa ao menos 40 mortos

Cidade de Homs foi a que mais sofreu com confrontos na quarta, com 27 mortes

EFE

08 Setembro 2011 | 11h48

CAIRO - Ao menos 40 pessoas morreram na quarta-feira na forte repressão das forças leais ao regime de Bashar Assad em várias cidades da Síria, especialmente em Homs (centro), informou nesta quinta-feira a Organização Nacional Síria de Direitos Humanos.

 

Veja também:

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

 
Segundo a ONG, o número de mortos alcançou 27 na província de Homs, que na quarta-feira foi alvo de uma operação de grande escala das forças de segurança, incluindo o corte das comunicações por via telefônica.

 

 

Em Hama (centro), uma das cidades mais castigadas pela ação repressora do regime, oito pessoas morreram, segundo a organização dos direitos humanos, que identifica as vítimas por nomes e sobrenomes.

 

Há relatos também da morte de duas pessoas em Deraa (sul), outras duas em Idleb (norte, perto da fronteira com a Turquia) e mais uma na cidade portuária de Latakia (noroeste).

 

Após a sangrenta quarta-feira, nesta quinta-feira continuam as operações das forças de Assad na província de Idleb, conforme a mesma entidade.

Sete blindados militares e outras cinco caminhonetes entraram nesta manhã em Ablin para capturar perseguidos pelas autoridades. Neste dia já foram ouvidos disparos e bombardeios de artilharia pesada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.