Repressores chilenos pegam 10 anos de prisão

A Corte de Apelações de Santiago condenou nesta segunda-feira quatro ex-agentes da polícia repressiva da ditadura de Augusto Pinochet pela detenção e desaparecimento de quatro militantes de esquerda em 1974.Os condenados trabalharam na Direção de Inteligência Nacional (Dina), que foi a agência do governo responsável pelos piores abusos nos primeiros anos do regime militar, que se prolongou de 1973 a 1990.Com o veredicto desta segunda-feira, os juízes do tribunal ratificaram a sentença ditada pelo magistrado Joaquín Billard e em sua decisão acrescentaram que o desaparecimento forçado de pessoas é "uma das mais atrozes violações dos direitos humanos". Os juízes disseram também que os delitos de lesa humanidade são "imprescritíveis e não passíveis de anistia".Os condenados são o brigadeiro Miguel Krassnoff, o coronel Marcelo Moren, o cabo Basclay Zapata - os três na reserva - e o agente civil Osvaldo Romo.Como última opção, os repressores, que atualmente estão cumprindo penas por outros casos de desaparecimento, podem agora apelar à Corte Suprema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.