Doug Mills/The New York Times
Doug Mills/The New York Times

Republicano presidente da Câmara diz que renunciará ao cargo e à vaga no Congresso

John Boehner, pressionado pela ala conservadora de seu partido, deixará a presidência da Câmara em outubro, informou assessor 

O Estado de S. Paulo

25 de setembro de 2015 | 12h18

(ATUALIZADA ÁS 16h45) WASHINGTON - O presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, o republicano John Boehner, que tem sido repetidamente desafiado pela ala conservadora de seu partido, confirmou nesta sexta-feira, 25, que renunciará ao cargo, assim como à sua cadeira na Casa, em 30 de outubro. A informação havia sido adiantada por assessores de Boehner na manhã desta sexta.

Boehner, de 65 anos, está há quase 25 anos no Congresso, para o qual foi eleito como representante de Ohio em 1990. Ele estava à frente da liderança republicana na Câmara desde janeiro de 2011 e anunciou sua decisão em um emocionado encontro com outros congressistas republicanos nesta manhã.

"Meu primeiro trabalho como presidente da Câmara é proteger a instituição", disse o republicano. "Ficou claro para mim que esta prolongada crise que vive a liderança (da Câmara) faria um dano irreparável à instituição."

Aparentando estar bem equilibrado e com um discurso ensaiado, Boehner - que surpreendeu Washington com seu anúncio - se emocionou ao relembrar os momentos a sós que teve na quinta-feira com o papa Francisco. "Nesta manhã, levantei, fiz minhas preces, como de costume, e pensei: 'este é o dia em que vou fazer isso (anunciar a renúncia)'", contou. "Nunca pensei em chegar ao Congresso e muito menos em ser presidente da Câmara."

O período de Boehner à frente dos republicanos se tornou mais tumultuado à medida em que crescia o movimento ultraconservador Tea Party, por quem ele foi criticado várias vezes de ser membro do "establishment" e da burocracia autocomplacente dos corredores do Capitólio.

Recentemente, mais de 30 congressistas republicanos ameaçaram forçar um voto de não-confiança sobre sua posição como presidente da Câmara, o que poderia fazê-lo forçar a buscar votos democratas para manter-se no cargo.

Segundo assessores de Boehner, o plano inicial do legislador era exercer seu cargo só até o final do ano passado, quando houve eleições legislativas nos Estados Unidos. No entanto, a inesperada derrota do "número dois" na hierarquia republicana na Câmara, Eric Cantor, nas primárias do partido em novembro "mudou os planos" do político. 

O presidente americano, Barack Obama, afirmou que foi pego de supresa pelo anúncio de Boehner. Obama disse que ligou para o republicano momentos antes de participar de uma entrevista com o presidente chinês, Xi Jinping, e o elogiou por ser um "bom homem" e um "patriota" que se preocupa profundamente com a Câmara dos Deputados.

"Nós temos, obviamente, muitos pontos de desacordo e, politicamente, estamos em lados opostos do espectro", disse o presidente. "Mas ele sempre teve uma conduta de civilidade e cortesia em relação à mim."

Obama disse ainda que Boehner é uma pessoa que "entende que no governo, você não consegue sempre 100% do que deseja". O presidente se recusou a especular sobre possíveis sucessores de Boehner, mas prometeu "entrar em contato imediatamente" com quem quer que seja escolhido e disse que continuará trabalhando com o atual presidente da Câmara antes que ele deixe a Casa.

Sucessão. Caberá à maioria republicana dos deputados escolher o novo presidente da Câmara. O principal candidato para ocupar o cargo é Kevin McCarthy, eleito pela Califórnia, que atualmente é o líder da maioria e é visto de forma mais favorável do que Boehner pelos membros mais conservadores da Casa. Outro nome bastante cotado entre os republicanos, Paul Ryan, do Wisconsin, já disse que não quer o cargo.

"John Boehner foi um grande líder do Partido Republicano e da Câmara dos Deputados", disse Ryan, em nota divulgada nesta sexta-feira. "Sua decisão foi um ato puro de altruísmo. As décadas de serviço de John ajudaram a fazer o país avançar e valorizo profundamente sua amizade. Sentiremos sua falta, mas estou confiante que nossa conferência elegerá líderes que são capazes de enfrentar os desafios que nossa nação enfrenta. Desejo tudo de bom a John e a sua família assim que ele começar a próxima fase de sua vida."

O congressista Charlie Dent, republicano da Pensilvânia, comentou: "o próximo presidente da Câmara terá um trabalho duro. A dinâmica fundamental não mudará". Ainda segundo Dent, havia "muita tristeza na sala" quando Boehner anunciou sua renúncia aos colegas de partido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.