Republicano vence eleição em NY, em revés para Obama

Bob Turner derrotou Dave Weprin na eleição para Câmara dos Representantes dos Estados Unidos

AE, Agência Estado

14 Setembro 2011 | 09h13

NOVA YORK - Um empresário republicano venceu uma eleição especial para a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, em um importante revés para o presidente Barack Obama antes das eleições presidenciais de 2012. A vitória da oposição ocorreu em Nova York, área tradicionalmente favorável ao Partido Democrata de Obama.

Republicanos apresentaram a corrida por uma cadeira no Congresso como um referendo sobre Obama. A popularidade do presidente caiu entre os norte-americanos, cada vez mais frustrados com a dificuldade na recuperação econômica e o desemprego em 9%.

A emissora de televisão NY1 informou no início da quarta-feira que Bob Turner havia derrotado o democrata Dave Weprin na eleição para preencher a vaga de Anthony Weiner, que renunciou após um escândalo sexual. Segundo a emissora, Turner obteve 53% dos votos, enquanto Weprin registrava 47%, com 80% dos votos apurados. Com isso, o republicano garantiu a primeira vitória de seu partido em um distrito do Queens e do Brooklyn desde 1923.

"Esta é uma disputa histórica. O povo desse distrito nos pediu para enviar uma mensagem a Washington e espero que eles ouçam isso com clareza", disse Turner em seu discurso de vitória. "Nós estamos prontos a dizer: ''Sr. Presidente, estamos no caminho errado.''

Weiner renunciou em junho, após a revelação de que ele enviava fotos eróticas para mulheres que conheceu na internet. O partido de Obama sofreu uma derrota humilhante, em um distrito onde os eleitores registrados do Partido Democrata superam os do Partido Republicano na proporção de três para um.

A aprovação de Obama está em 45%, principalmente pelos problemas na economia. O presidente se prepara para buscar a reeleição em novembro de 2012.

 

As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
EUA eleição

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.