Washington Post photo by Matt McClain
Washington Post photo by Matt McClain

Republicanos acreditam que batalha pela Suprema Corte impulsionará candidatura de Trump

Líderes do partido disseram que debate sobre vaga no tribunal pode também ajudar a manter a maioria no Senado

 The Washington Post, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2020 | 14h06

Os republicanos estão mudando o foco de sua campanha para a luta ideológica sobre a indicação de um juiz para a Suprema Corte dos Estados Unidos para substituir a juíza Ruth Bader Ginsburg, na esperança de que isso injete um ânimo de última hora na candidatura de reeleição do presidente Donald Trump e na batalha pela maioria no Senado.

Alguns conselheiros de Trump, no entanto, questionam essa estratégia, preocupados que o movimento para confirmar rapidamente uma substituição conservadora para a juíza que se tornou um ícone liberal possa sair pela culatra e energizar a esquerda nos principais Estados do país.

Nos bastidores, alguns conselheiros republicanos do Senado também reconhecem que isso pode significar más notícias para pelo menos dois titulares do Partido Republicano - Susan Collins no Maine e Cory Gardner no Colorado - que enfrentam batalhas apertadas em Estados com tendência democrata.

Os temores ressaltam a aposta que Trump e do líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, que tentam desviar o foco da economia e da resposta de Trump ao coronavírus para questões que normalmente unem seu partido: batalhas ideológicas e partidárias na Suprema Corte recentemente impulsionaram o Partido Republicano e ajudaram Trump a vencer em 2016 e em 2018.

Entre alguns dos assessores do presidente, o nervosismo provém de uma recente pesquisa encomendada pelo Partido Republicano que continha sinais alarmantes sobre a indicação a vaga. A pesquisa - conduzida no fim de semana entre cerca de 1.500 prováveis eleitores em 17 Estados indecisos, incluindo Arizona, Wisconsin, Flórida, Carolina do Norte e Pensilvânia - mostrou que 51% dos eleitores disseram confiar mais em Biden do que em Trump para lidar com a vaga, enquanto apenas 43% disseram que confiavam em Trump.

A pesquisa também descobriu que apenas 28% dos eleitores disseram que teriam maior probabilidade de votar em Trump se uma substituição fosse confirmada, enquanto 38% disseram que seria menos provável. E 52% disseram que o Senado deveria realizar audiências após a eleição, enquanto 41% disseram que deveria realizar audiências antes da eleição.

Ao mesmo tempo, os democratas argumentam que o interesse na campanha foi renovado com a disputa e reforçou sua própria arrecadação de fundos, apontando para os mais de US$ 200 milhões que a ActBlue, a plataforma online de arrecadação de fundos do partido para doações de pequenos doadores, levantou desde a morte de Ginsburg na sexta-feira. Eles também dizem que a batalha pela vaga aumentará seu foco sobre os programas de saúde pública, Medicare e Medicaid, que estarão em debate na Suprema Corte.

“Posso dizer a vocês agora, em nossas disputas e em todo o país, que a questão número um para tantos constituintes ainda é a crise de saúde”, disse a senadora Catherine Cortez Masto, democrata de Nevada, que lidera o Comitê de Campanha pelo Senado. “Eles verão um governo ignorando completamente os desejos do público americano durante um período eleitoral com o propósito de tomar o tribunal, colocar alguém que vai tirar seus direitos de saúde.”

Trump disse a assessores em conversas no fim de semana que a luta na Suprema Corte foi um incentivo para sua campanha presidencial e que ele queria nomear um candidato antes da eleição. Seus assessores e aliados dizem que a Suprema Corte é uma luta que vale a pena porque mostra aos republicanos a promessa da presidência de Trump, mesmo que eles discordem de sua retórica e tática; tira o foco da pandemia de coronavírus que matou 200.000 americanos, e mostra o presidente trabalhando.

Alguns republicanos temem injetar a questão do aborto nas eleições, com a escolha da juíza Amy Coney Barrett, que é contra o aborto e poderia, o que poderia ser prejudicial para o presidente e os senadores republicanos. Na verdade, a pesquisa do Partido Republicano examinada pela Casa Branca mostrou que a maioria dos eleitores de Estados indecisos queria uma justiça que apoiasse os direitos ao aborto. Mas havia outros sinais promissores para o partido, com um conselheiro de campanha observando que a arrecadação de fundos online de baixo custo estava perto de um recorde neste fim de semana após a morte de Ginsburg.

Os assessores da campanha também dizem que esperam que a escolha de um juiz para Suprema Corte possa aumentar o comparecimento entre os apoiadores evangélicos e católicos, e o presidente disse aos assessores que acredita que os democratas vão exagerar na sua luta sobre a vaga - dando a ele um alvo para zombar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.