Republicanos ampliam vantagem em pesquisa para eleições nos EUA

Americanos renovarão um terço do Senado e toda a Câmara dos Representantes no próximo dia 2

Efe

20 de outubro de 2010 | 14h38

WASHINGTON - O Partido Republicano ampliou a vantagem sobre o Partido Democrata nas intenções de voto para as eleições parlamentares dos EUA no próximo dia 2 de novembro, revela uma pesquisa do Wall Street Journal e do canal NBC divulgada nesta quarta-feira, 20.

 

O levantamento aponta para os republicanos 50% das intenções de voto, contra 43% dos democratas, atualmente em maioria no Congresso. Antes, os republicanos tinham uma vantagem de apenas três pontos percentuais.

 

O periódico aponta que, entre a categoria mais ampla de eleitores registrados, 46% preferem que o Congresso siga em mãos de democratas, comparado com os 44% que querem que os republicanos estejam à frente.

 

The Wall Street Journal destaca, no entanto, que, nos 92 distritos eleitorais considerados mais competitivos nas eleições à Câmara de Representantes, a vantagem dos republicanos entre os eleitores registrados é de 14 pontos.

 

Esse dado ressalta, conforme a nova pesquisa, a dificuldade dos democratas em manter a liderança na Câmara de Representantes, que, de acordo com a maioria das enquetes, irá parar em mãos republicanas. "Os democratas enfrentam pelo menos um furacão de categoria quatro", afirmou o pesquisador democrata, Peter Hart, que dirige a pesquisa do The Wall Street Journal junto ao republicano Bill McInturff.

 

O levantamento indica, além disso, que apesar de o vento soprar a favor dos republicanos, os ataques dos democratas a seus rivais durante as últimas semanas causaram a solidificação da posição do partido entre os seguidores mais fiéis do presidente Barack Obama, sobretudo os afrodescendentes e as mulheres jovens.

 

A estratégia, segundo os pesquisadores, reduziu também a vantagem dos republicanos entre as pessoas de maior idade. A pesquisa foi realizada entre 14 e 18 deste mês e consultou mil eleitores. A margem de erro é de 3,1%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.