Republicanos buscam voto latino na Flórida

Depois de um debate marcado por bate-boca entre Gingrich e Romney, rivais tentam se aproximar de imigrantes

DENISE CHRISPIM MARIN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2012 | 03h01

Com os estereótipos de "anti-imigrante" e de "anti-hispânico" na cabeça, os republicanos Newt Gingrich e Mitt Romney começaram ontem a buscar o voto latino-americano na Flórida, cujas primárias estão marcadas para o dia 31. Durante discursos de campanha, ambos expuseram suas diferenças no debate de quinta-feira em Jacksonville, norte do Estado.

Em comício em Doral, Gingrich prometeu cidadania apenas para os filhos de imigrantes ilegais que servirem às Forças Armadas. Romney garantiu seu apoio a 4,5 milhões de estrangeiros à espera de aval para entrar nos EUA, mas continuou a exigir a expulsão dos 11 milhões de ilegais no país.

"Eu quero eles (os 4,5 milhões de estrangeiros) aqui. Quero ver um processo transparente (de imigração). Nós não somos anti-imigrantes, não somos anti-imigração", afirmou Romney, assim considerado por Gingrich na noite anterior. Romney acusou novamente o rival de ter sido lobista da Freddie Mac, agência federal de habitação cuja falência contribuiu para a crise de 2008. O ex-presidente da Câmara contra-atacou, dizendo que Romney fez investimentos irregulares.

A disputa ganhou nova cara ontem após uma pesquisa ter apontado Romney novamente em primeiro lugar. As anteriores davam vitória a Gingrich na Flórida. Segundo sondagem da Universidade Quinnipiac, Romney teria 38% das intenções de voto, seguido de Gingrich, com 29%. A consulta não chegou a refletir o debate de quinta-feira, marcado pelo bate-boca entre os dois.

Enquanto o embate republicano na Flórida prosseguia, o presidente dos EUA e candidato democrata à reeleição, Barack Obama, discretamente festejava ontem, em Michigan, o crescimento de 2,8% da economia americana no quatro trimestre de 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.