Kevin Lamarque/Reuters
Kevin Lamarque/Reuters

Republicanos criticam Trump por culpar os 2 lados em Charlottesville

Presidente da Câmara, Paul Ryan, afirmou que 'não pode haver ambiguidade moral' neste conflito; já o senador John McCain ressaltou que não pode haver equivalência entre racistas e 'americanos que se levantam para desafiar o ódio'

O Estado de S.Paulo

16 Agosto 2017 | 09h16

WASHINGTON - Importantes figuras do Partido Republicano criticaram na terça-feira o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por culpar os "dois lados" pela violência ocorrida no fim de semana em Charlottesville, na Virgínia, onde um neonazista matou uma mulher quando investiu com seu carro contra a multidão que protestava contra a marcha racista.

O presidente da Câmara e terceira autoridade do país, Paul Ryan, criticou a "ambiguidade moral" neste conflito. "Devemos ser claros. A supremacia branca é repulsiva. Este fanatismo é contrário a tudo o que este país representa. Não pode haver ambiguidade moral", disse Ryan em sua conta no Twitter.

As críticas também vieram do Senado, com o veterano e ex-candidato à presidência John McCain, que rejeitou colocar neonazistas e antifascistas no mesmo patamar, como fez Trump. "Não há equivalência moral entre racistas e americanos que se levantam para desafiar o ódio e a intolerância. O presidente dos Estados Unidos deveria dizê-lo", escreveu McCain na mesma rede social.

Seguindo a mesma linha de McCain, o governador de Ohio e ex-rival de Trump nas primárias republicanas, John Kasich, disse que não há equivalência possível entre os dois grupos: "Não há equivalente moral aos simpatizantes nazistas. Não pode haver lugar nos EUA, nem no Partido Republicano, para o racismo, antissemitismo, o ódio e o nacionalismo branco. Ponto".

Na terça-feira, Trump voltou a culpar os "dois lados" pela violência ocorrida no sábado em Charlottesville e pôs ênfase especial na responsabilidade da esquerda por, segundo ele, ter atacado os neonazistas.

"O que acontece com a alt-left (esquerda alternativa) que atacou o que a senhora chama de alt-right (direita alternativa, racista)? Eles têm alguma culpa?", disse o presidente durante uma coletiva de imprensa em Nova York.

As palavras de Trump foram bem recebidas pela extrema-direita americana e o histórico dirigente do Ku Klux Klan, David Duke, enalteceu o presidente por "dizer a verdade" sobre o ocorrido em Charlottesville e condenar os terroristas "de esquerda". / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.