Tom Brenner/The New York Times
Tom Brenner/The New York Times

Republicanos e democratas criticam política de Trump de separar famílias detidas na fronteira

Os dois partidos propuseram uma ação do Congresso para suspender a prática, mas governistas e opositores não se entendem sobre o teor da lei que deveria ser aprovada

O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2018 | 19h54

WASHINGTON - Congressistas republicanos e democratas criticaram neste domingo, 17, a política do presidente dos EUA, Donald Trump, de separar famílias detidas por tentar cruzar de maneira ilegal a fronteira com o México. Ambos os partidos propuseram uma ação do Congresso para suspender a prática, mas governistas e opositores não se entendem sobre o teor da lei que deveria ser aprovada. 

+ Crianças do Brasil são separadas dos pais nos EUA

+ Separação de famílias de imigrantes causa racha entre Casa Branca e Partido Republicano

O principal defensor da prática de separar pais e filhos na fronteira é o secretário de Justiça, Jeff Sessions. Nos últimos 45 dias, 2 mil crianças foram retiradas de seus pais em Estados que fazem fronteira com o México. Um dos argumentos de Sessions é que os EUA estariam agindo para combater o tráfico de crianças – o que foi ridicularizado neste domingo pela senadora republicana Susan Collins.

+ Trump diz que rejeitará lei migratória moderada; secretário defende separação de pais e filhos

+ Estados Unidos enviam imigrantes a prisões federais

“Não é isto o que está acontecendo (tráfico de menores). Crianças não podem ser usadas desta maneira. O governo tem de acabar com isto imediatamente”, disse a senadora. Embora tenha condenado Trump, Susan também criticou a proposta democrata, qualificada como “muito ampla”. 

O deputado democrata Adam Schiff acusou Trump de usar as crianças para obter financiamento para a construção de um muro na fronteira. “O que o governo está fazendo se chama extorsão”, disse. A Casa Branca ameaça vetar qualquer lei aprovada pelo Congresso a menos que os congressistas liberem recursos para o muro. / REUTERS e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.