Republicanos renovam-se com líder negro

Ao eleger Michael Steele, partido tenta afastar reputação racista e busca imunidade para investir contra Obama

Renata Miranda, O Estadao de S.Paulo

24 de fevereiro de 2009 | 00h00

Afundado em uma crise de identidade num ano marcado por importantes derrotas no cenário nacional, o Partido Republicano foi às urnas no fim de janeiro para escolher seu novo líder. Preocupados em reorganizar sua base de partidários e em se afastar dos oito anos de governo do impopular ex-presidente George W. Bush, os republicanos escolheram, após seis rodadas de votação, Michael Steele como presidente da legenda - o primeiro negro a comandar o partido desde a sua fundação, em 1854.A eleição de Steele, ex-vice-governador do Estado de Maryland, é vista como uma tentativa do partido de remodelar-se para retomar o poder. Mas, segundo analistas, a questão racial também foi crucial para a vitória do republicano. "Escolher um negro para liderar um partido tradicionalmente composto por homens brancos e conservadores tem como finalidade suavizar a imagem dos republicanos para as minorias", afirmou ao Estado, por telefone, Paul Herrnson, diretor do Centro de Política Americana e Cidadania, da Universidade de Maryland. Steele é visto como uma celebridade dentro do partido. Suas frequentes aparições em programas da rede de TV conservadora Fox News tornaram seu rosto conhecido.Durante sua campanha para o Senado, em 2006, o republicano também ganhou bastante atenção ao receber o apoio de seu ex-cunhado, o boxeador Mike Tyson."Steele é extremamente eficaz na televisão", disse o cientista político John Pitney Jr., da Faculdade Claremont McKenna, na Califórnia. De acordo com ele, o novo presidente do partido tem todas as características que os republicanos procuravam em um novo líder. "Os integrantes do comitê queriam alguém que pudesse falar com vigor e demonstrasse que o Partido Republicano é inclusivo", explicou Pitney. "Além disso, Steele ainda poderá ajudar a unificar as facções divididas da legenda porque, apesar de ser conservador na maioria das questões, ele mantém muito boas relações com os moderados do partido."QUESTÃO RACIALNum ano marcado por uma eleição histórica nos EUA, é quase impossível dissociar a vitória de Steele da posse do democrata Barack Obama, em 20 de janeiro, como primeiro negro a ser eleito presidente na história do país.Para Herrnson, ao assumir o controle do Partido Republicano, Steele pode atrair mais brancos moderados para seu lado, mas isso não significa a adesão de um número maior de negros à base republicana. "Os republicanos encontraram em Steele uma maneira de negar as acusações de racismo que muitas vezes pesam sobre eles", disse Herrnson. Segundo Pitney, a eleição de Steele também serviu para os republicanos ganharem imunidade para atacar as políticas adotadas por Obama sem parecerem racistas: "Muitas vezes os defensores do presidente acusam seus críticos de racismo. Quando esses ataques vierem de Steele eles não poderão fazer isso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.