Republicanos trazem à tona suspeita de fraude em registros

Democratas vêem em ação ?estratégia? de rivais para lançar onda de questionamentos jurídicos

Katharine Q. Seelye, The New York Times, Washington, O Estadao de S.Paulo

29 de outubro de 2008 | 00h00

Comentários do candidato republicano, John McCain, sobre a possibilidade de uma fraude eleitoral têm jogado lenha na fogueira da internet e de programas de entrevista no rádio, nos quais seus partidários afirmam que o rival democrata, Barack Obama, está tentando "roubar" a eleição por meio de grupos como a Acorn (Association of Community Organizations for Reform Now). Segundo essas denúncias, a associação - que organiza comunidades de baixa renda e minorias - estava "prestes a perpetrar uma das maiores fraudes da história eleitoral dos EUA, destruindo o tecido da democracia", uma acusação que a campanha de Obama considera disparatada. McCain trouxe a denúncia à tona no último debate presidencial. Ele afirmou que a eleição poderia ser desfigurada pela fraude eleitoral. A revelação, feita na quinta-feira, de que 30% dos 1,3 milhão de registros eleitorais reunidos pela Acorn contêm irregularidades transformou a questão numa polêmica interminável. Entre os problemas detectados estavam os formulários de registro preenchidos por "Mickey Mouse" e pela escalação da equipe de futebol americano Dallas Cowboys. Defensores de direitos de eleitores disseram-se surpresos com as irregularidades, reportadas pela própria Acorn, mas disseram também que elas não se traduziriam necessariamente em fraude nas urnas.Por seu lado, os democratas estão preocupados que a insistência dos republicanos na "pureza" das listas de registro de eleitores possa aumentar a confusão no dia da eleição e até anular o processo. Acusações por parte dos republicanso de fraude e de privação de direito de voto - trazidas por democratas - não são novas. O diferente agora é a enxurrada de ações legais antes da eleição. Isso é, em parte, um legado da Flórida de 2000, que indicou como a organização de eleições pode influir no resultado. Isso pode ocorrer novamente neste ano, quando se espera que o alto comparecimento exerça uma tensão extra no sistema de votação e a apuração em alguns Estados seja bastante apertada. Defensores de direitos de eleitores dizem que as acusações republicanas de fraude fazem parte de uma estratégia para criar confusão entre eleitores e estabelecer o cenário para possíveis questionamentos legais de eleitores.Tem havido também inépcia nas seções de votação. Uma autoridade eleitoral do Mississippi expurgou erroneamente 10 mil eleitores das listas em março ao usar seu computador doméstico. Há também interpretações dúbias de leis que exigem que a informação do registro do eleitor seja totalmente compatível com o documento de identidade."Sempre houve disputas, em toda a história do país, sobre quem pode votar e como seus votos seriam contados", disse Michael Waldman, da Escola de Direito da Universidade de Nova York. "Mas, neste ano, isso parece mais estratégica. As mesmas denúncias têm sido feitas em todo o país ao mesmo tempo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.