Resgatados corpos de vítimas do vulcão Merapi

Após 36 horas de busca, as equipes de resgate encontraram mortas nesta sexta-feira os dois voluntários da operação humanitária que começou há um mês na região onde está localizado o vulcão Merapi. Eles estavam presos desde quarta-feira num abrigo subterrâneo na encosta sul do Merapi, o vulcão mais ativo da Indonésia. As vítimas foram identificadas como Sudarwanto, de 27 anos, e Kenteng. Os dois voluntários apresentavam graves queimaduras e bolhas por todo o corpo, que aparentemente foram a causa de suas mortes, disse o chefe do grupo de salvamento, Mursal. "A temperatura no interior do abrigo oscilava entre 45 e 47 graus centígrados", afirmou Mursal. "Uma das vítimas foi encontrada no chuveiro e seu corpo estava relativamente intacto. Mas a outra estava perto da porta e sua pele encontrava-se completamente corroída", acrescentou o diretor da equipe de resgate civil, Widi Sutikno.Montanha de Fogo Sutikno disse que haverá uma investigação para esclarecer se o abrigo tinha falhas de projeto e explicar a entrada de material vulcânico, como areia quente, com temperatura superior a 100 graus centígrados. Os corpos foram levados ao hospital Sarjito, emYogyakarta, para autópsia. Depois, serão transferidos para seus povoados de origem, para serem enterrados. Segundo Mursal, uma chuva de gases tóxicos, cinzas e pedras incandescentes a mais de 500 graus centígrados atingiu osvoluntários antes que eles conseguissem entrar no abrigo. As duas portas de acesso leste foram bloqueadas. A erupção que causou as mortes aconteceu às 15h15 (5h15 de Brasília), um dia depois de as autoridades locais reduzirem o estado de alerta do vulcão. O Merapi, cujo nome significa "Montanha de Fogo", é um dos vulcões mais imprevisíveis do arquipélago indonésio. A inesperada erupção de 1994, que causou a morte de mais de 50 pessoas, aconteceu após um mês de relativa inatividade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.