Resgate de mineiros pode levar semanas na China

Familiares dos 181 trabalhadores presos questionam o motivo que os alertas de segurança foram ignorados

Associated Press e Agência Estado,

21 de agosto de 2007 | 11h09

As esperanças de resgate dos mais de 180 mineiros presos em minas de carvão inundadas no leste da China diminuíam com o passar das horas e um agente de resgate envolvido nos esforços de salvamento comentou nesta terça-feira, 21, que poderiam ser necessários semanas ou meses até que toda a água fosse drenada das minas inundadas. As informações, divulgadas por uma agência estatal de notícias, vêm à tona em um momento no qual familiares e amigos das vítimas questionam os motivos pelos quais alertas de segurança foram ignorados antes do rompimento de um dique ocorrido há quatro dias. O rompimento do dique provocou uma inundação que prendeu 172 mineiros na mina de Huayuan. Há ainda nove mineiros presos em outra mina inundada nas proximidades. "Precisaríamos de cerca de cem dias para drenar toda a água, e isso se bombeássemos 5.000 metros cúbicos por hora", comentou Bu Changsheng, um engenheiro que trabalha nos esforços de resgate. "A operação de salvamento não está avançando tão rápido como gostaríamos", prosseguiu ele, citado pela agência de notícias Nova China. Mais tarde, porém, durante uma entrevista coletiva concedida em Xintai, na província de Shandong, ele recusou-se a repetir o comentário. Enquanto isso, a tropa de choque da polícia local foi posicionada pela primeira vez nas proximidades de um portão onde familiares e amigos dos mineiros estão reunidos desde a última sexta-feira em busca de informações sobre seus entes queridos. Na segunda-feira os ânimos se exaltaram e houve briga. Vidros e mostruários foram quebrados.

Tudo o que sabemos sobre:
mineirospresosChinainundação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.