Resgate dos 27 mineradores soterrados na Nova Zelândia é adiado

Dois foram resgatados após explosão na mina de carvão; caso dos chilenos é 'inspiração'

Efe

19 de novembro de 2010 | 15h00

Mina onde ocorreu o acidente fica no sul da Nova Zelândia.

 

SYDNEY - As equipes de resgate adiaram até o sábado a operação para tentar resgatar os 27 mineradores que ficaram soterrados a aproximadamente 1.500 metros de profundidade em uma mina de carvão do norte da Nova Zelândia. Dois dos trabalhadores foram resgatados com ferimentos leves ao longo desta sexta-feira.

 

"Estamos firmes em nossa esperança. Olhe o que ocorreu no Chile, todos aqueles mineradores soterrados e depois saíram com vida", disse o prefeito de Greymouth, Tony Kokshoorn, segundo o site de notícias Stuff. Kokshoorn antecipou que as equipes de resgate precisarão de "vários dias" até que as condições de segurança sejam apropriadas para dar início ao salvamento.

 

A mina de Atarau, explorada pela companhia Pike River Coal e de onde se extrai carvão de alta qualidade para produzir aço para o mercado indiano, fica a cerca de 50 quilômetros de Greymouth.

 

A principal preocupação dos especialistas neste momento é garantir o funcionamento do sistema de ventilação que transporta o oxigênio às 27 pessoas soterradas. "Não sabemos onde os mineradores estão, portanto desconhecemos sua posição em relação às saídas (da mina, que são duas)", revelou o especialista David Feickert.

 

No início da noite desta quinta-feira, o porta-voz da Pike River Coal, Dick Knapp, declarou em entrevista coletiva que tinham pedido às famílias das vítimas para que saíssem da entrada de Atarau e se direcionassem à Moonlight Hall, um local preparado para recebê-los, onde poderiam esperar pelas notícias. Knapp confirmou que foi uma explosão de gás que derrubou o túnel, embora a causa do acidente ainda não tenha sido determinada.

 

A explosão aconteceu às 16h30 do horário local (1h30 do horário de Brasília) desta quinta-feira e só foi notada uma hora depois, quando os funcionários da jazida não se comunicaram com a superfície no momento previsto.

Tudo o que sabemos sobre:
Nova Zelândiaminaresgate

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.