Mark Ralston/AFP Photo
Mark Ralston/AFP Photo

Resistência dos republicanos dificulta mudanças nas leis

Especialistas avaliam que conservadorismo e relações de legisladores com a NRA são motivos principais à oposição

Claudia Müller, O Estado de S. Paulo

30 de outubro de 2016 | 05h00

A cada tragédia causada nos EUA por arma de fogo, seja em acidentes domésticos ou em massacres como na boate Pulse, em Orlando, há quatro meses, o debate sobre um maior controle do porte de armas ressurge. Nesse contexto, o terror e a intensidade dos ataques recentes fazem o posicionamento dos partidos ser cada vez mais importante.

Na minuta do programa eleitoral aprovada pelo partido Republicano, em julho, para as eleições presidenciais, o texto reforça o respeito ao direito constitucional de se portar armas sem maiores controles. 

Para o autor do livro Guns Across America, Robert Spitzer, essa postura é adequada ao candidato à presidência do partido. “A ideia de mais cidadãos portarem armas é consistente com o ultranacionalismo de Trump, porque ele representa esses interesses”, afirma. 

O professor de Ciência Política da Universidade do Estado de Nova York ressalta que as únicas mudanças do partido Republicano nesse assunto estão voltadas para o fortalecimento de posições contra novas leis sobre porte de armas e no enfraquecimento das atuais.

Para o presidente do departamento de Ciência Política da Universidade do Missouri, Dave Robertson, há uma contradição republicana. “É difícil de entender como alguém que se opõe ao terrorismo não quer restrições de acesso à armas para aqueles que podem ser ameaças terroristas”, afirma.

O partido Democrata apoia a verificação do histórico de quem terá a posse da arma, além de facilitar processos contra aqueles que violam a lei. Spitzer considera, no entanto, que a constante oposição do partido Republicano à leis mais restritas é a principal razão para que a discussão falhe em âmbito nacional. “O partido se tornou cada vez mais conservador nas últimas décadas, já que os moderados saíram, deixando o direito às armas como principal força da legenda”.

Outra razão pela qual o partido Republicano defende o direito às armas sem maiores obstáculos é a ligação com a NRA (Associação Nacional de Rifles). Como a maioria dos apoiadores da NRA são conservadores, a associação tem ampla voz no partido. A associação, assim, apoia candidatos que simpatizam com seus interesses, por meio de contribuições de campanha e mobilização de eleitores em algumas partes do país – na maioria dos casos, republicanos. 

 

Mais conteúdo sobre:
Hillary ClintonDonald Trump

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.