Resistência suga americanos para guerra urbana

As tropas da coalizão anglo-americanas estão ?sendo sugadas? para uma luta urbana em Basra, no sul do Iraque. A analise é de um porta-voz britânico no Kuwait. Segundo o correspondente da BBC não mais de mil iraquiano resistem à invasão da cidade por força norte-americanas. A mesma BBC divulgou que a 7ª Brigada Armada do Reino Unido, conhecida como "Ratos do Deserto", retirou-se da cidade de Basra, no sul do Iraque, depois de encontrar forte resistência das forças iraquianasOs "Ratos do Deserto" haviam sido encarregados de guardar a cidade de Basra de qualquer ataque das forças iraquianas e desembarcaram no Iraque equipados com veículos blindados, tanques Challenger e artilharia.Houve também um intenso tiroteio entre helicópteros americanos e blindados da Guarda Republicana em Karbala, 80 quilômetros de Bagdá. Um comboio, que segue rapidamente em direção à capital, foi detido por uma tempestade de areia e uma coluna de tanques iraquianos, e precisou pedir reforço da artilharia aérea.A coalizão liderada pelos EUA está fazendo ?progresso rápido e, em alguns casos, dramático? em seu avanço pelo Iraque, mas também encontra casos ?esporádicos? de resistência, garantiu o general Tommy Franks, chefe do Comando Central americano.Com o revés das esperanças anglo-americanas de uma solução rápida e cirúrgica para o conflito, trava-se agora, além da batalha por território, uma guerra pela informação. O ministro da defesa do Iraque, Sultam Hashim Ahmed, disse que as tropas britânicas e americanas enfrentam dificuldade em todas as cidade que tentaram entrar até agora. Ahmed citou Umm Qasr, Basra, Nassíria, Samawah e Najaf.O comando militar americano, por sua vez, anunciou que dominou a cidade de Umm Qasr, Nassíria e Basra. Voltou atrás e explicou que apenas cercou as cidades, uma vez que a intenção era ?libertar, e não ocupar o Iraque?.No entanto, já no sábado, um correspondente da rede CNN, no meio de uma entrevista com um militar de um comboio que seguia em direção de Basra foi surpreendido por um ataque. Uma farsa montada por iraquianos, que simularam comemorar a entrada dos americanos, armava na verdade uma emboscada.Nessa guerra de versões, a TV árabe Al Jazeera está se tornando a vedete das transmissões ao mostrar as primeiras cenas de soldados da coalizão mortos e de prisioneiros de guerra norte-americanos, feridos, em mãos iraquianas.Ao contrário da mídia americana, que encampou a versão de Washington de guerra para ?libertar o Iraque?, a TV de língua árabe tem mostrado cenas do campo de batalha, de civis mortos (muitas vezes em close) e de prisioneiros de guerra, fato amplamente criticado pelos EUA.As imagens mostradas pela Al Jazeera não se resumem à pirotecnia do poderio militar americano. São imagens fortes de civis com crânio aberto por conta de um ataque ou de prisioneiro de guerra confusos e amedrontados.Nas imagens, os prisioneiros de uma companhia de manutenção estavam vestindo uniformes militares para guerra urbana. Perguntado por que tinha ido ao Iraque, um deles respondeu: "Disseram-me para vir".Perguntado se tinha ido para atirar em iraquianos, ele disse: "Não, eu vim para atirar apenas se atirarem em mim. Se eles não me incomodarem, eu não os incomodo". Perguntado por que estava no Iraque, outro respondeu: "Eu sigo ordens".As tevês americanas se recusaram a passar o vídeo. Apenas a CNN mostrou pequenos trechos e rapidamente. O correspondente da Fox News, coronel Oliver North, antes de relatar o vídeo da Al Jazeera sobre os prisioneiros levou-a a fontes do Pentágono, para ser aprovada pelo crivo do governo Bush.Agora, com o revés logo nas primeira batalhas no Sul do Iraque, acredita-se que a situação pode ser mais dramática nos combates em Bagdá e no noroeste do País.O sul de maioria xiita é, tradicionalmente, a sede da oposição a Saddam Hussein. É em Bagdá onde estão os melhores e mais bem treinados soldados, que pertencem a Guarda Republicana.No sul, onde estão as principais reservas de petróleo, os americanos esperavam não encontrar resistência e se aliar rapidamente com os xiitas e agora enfrenta a primeira resistência.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.