Responsável por ataque a colégio no Iraque era mulher

Fontes da segurança disseram nesta segunda-feira, 26, que a pessoa que realizou o ataque suicida no domingo, 25, em Bagdá era uma mulher. Ela se explodiu na entrada de um colégio no leste da cidade. Cerca de 55 pessoas ficaram feridas.Horas depois da explosão, o líder iraquiano Moqtada al-Sadr disse que o programa de segurança apoiado pelos Estados Unidos está fadado ao fim.Sadr disse que o plano não funcionará a menos que o governo do país assuma toda a responsabilidade em proteger cidadãos.O líder iraquiano, que controla militares no Colégio de Administração e Economia, onde a maioria das mortes ocorreu no domingo, pediu mais uma vez que os americanos deixem cristão.O primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, disse no sábado, 24, que as mortes diminuíram desde o início do plano de segurança. No entanto, os ataques com bombas em Bagdá continuam acontecendo. Ainda nesta segunda, houve um ataque ao Ministério de Obras Públicas do Iraque, que deixou pelo menos dez mortos e 18 feridos. O vice-presidente iraquiano, Adel Abdel Mahdi, estava no prédio atacado, mas saiu ileso.Não foi divulgado se este ataque foi realizado por uma bomba ou um míssil.Estudantes mortosO ministro da Educação do Iraque, Abed Dhiab al-Uljaili, disse que muitas das vítimas deste domingo, 25, eram estudantes que faziam provas e ainda entre os mortos estavam cinco guardas, segundo a agência de notícias AFP.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.