Responsável por atentado ao metrô de Tóquio é condenado à morte

O Tribunal Superior de Tóquio recusou, nesta terça-feira, 17, o recurso contra a condenação à morte de Masami Tsuchiya, por sua participação na fabricação de substâncias mortais usadas pela Seita da Verdade Suprema. A seita usou gás sarin em atentado no metrô de Tóquio, em 1995.Segundo a agência "Kyodo", a sentença inicial contra Tsuchiya, de 41 anos, tinha sido ditada em janeiro de 2004. Ele foi considerado culpado de assassinato e outros atos que produziram a morte de 20 pessoas.Ao confirmar o veredicto, a corte afirmou que sem a colaboração de Tsuchiya "não aconteceriam os crimes da seita" dirigida pelo guru Shoko Asahara, condenado à pena de morte em 2004.A defesa argumentava que Tsuchiya não conhecia os planos do ataque ao metrô e que a seita se aproveitou de seus conhecimentos de química.O atentado com gás sarin no metrô de Tóquio deixou 12 mortos e afetou mais de 5 mil pessoas. No dia 20 de março de 1995, cinco seguidores de Asahara abriram bolsas de plástico que continham o gás letal, em vagões do metrô, na hora do rush.A Verdade Suprema mudou seu nome para Aleph, mas as autoridades mantêm estreita vigilância sobre todos os seus membros. A seita ensina doutrinas baseadas no budismo e na ioga, direcionadas a mostrar o caminho para a iluminação de seus membros. Os julgamentos de seus integrantes levaram a 13 condenações à forca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.