Resposta "complexa" do Irã pode causar racha no Conselho de Segurança

Nesta terça-feira o Irã afirmou estar pronto para "negociações sérias" sobre seu programa nuclear, ao oferecer uma nova fórmula para resolver a crise com os países ocidentais. Um funcionário da agência de notícias iraniana afirmou que o governo não quer interromper o enriquecimento de urânio, a principal demanda dos Estados Unidos. Uma cisão no Conselho de Segurança na ONU poderia surgir com a continuidade das negociações e do enriquecimento de urânio por parte do Irã. A França, Rússia e China declararam nesta quarta-feira que estudam a proposta apresentada na terça-feira por Teerã.Se os iranianos continuarem com o enriquecimento de urânio durante as negociações, como o país tem afirmado, o Conselho de Segurança da ONU pode sofrer um racha, separando americanos, franceses e ingleses de um lado, e russos e chineses do outro. No último mês a Rússia afirmou que o Conselho não tinha pressa em pressionar o Irã, em um tom mais conciliatório que os EUA. Na quarta-feira a China também apelou pelo diálogo para solucionar o impasse sobre o programa nuclear iraniano, pedindo aos dois lados, que se "mantenham calmos e pacientes, mostrem flexibilidade, sigam a orientação de solucionar de forma pacífica e que criem condições favoráveis para começar as conversas o quanto antes" "Documento Complexo"A França analisa a "complexa" resposta do Irã à oferta internacional para resolver a crise nuclear com a República Islâmica, disse nesta quarta-feira o chefe da diplomacia francesa, Philippe Douste-Blazy."A resposta chegou. É um documento muito longo e muito complexo. Vamos analisá-lo", afirmou o ministro de Assuntos Exteriores francês à televisão "France 2".Douste-Blazy ressaltou que "algumas autoridades iranianas dizem que querem negociar", mas Paris prefere ler o documento e depois, "daqui a alguns dias", dizer o que pensa e o que fará no Conselho de Segurança das Nações Unidas, junto a seus "parceiros europeus, americanos, russos e chineses".Em sua esperada resposta ao plano internacional apresentado pelos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (França, Reino Unido, Rússia, EUA e China) mais a Alemanha, o Irã disse na terça-feira que não pensa em suspender seu programa de enriquecimento de urânio, mas ofereceu uma "nova fórmula" para resolver a crise através do diálogo.O secretário do Conselho de Segurança Nacional do Irã, Ali Larijani, foi o encarregado de apresentar aos embaixadores dos seis países em Teerã a resposta do país ao plano, que oferece aos iranianos tecnologia nuclear avançada para uso civil e vantagens econômicas em troca da suspensão do enriquecimento de urânio.Segundo a agência de notícias iraniana Irna, ao anunciar ontem que o Irã está preparado para manter negociações sérias sobre a questão nuclear a partir desta quarta-feira, o principal negociados do Irã, Ali Larijani, disse que a resposta do Irã foi lógica, justa e construtivamente tratou das demandas propostas pelo pacote, recomendando aos seis países que retomem as negociações imediatamente, apesar da falsa atmosfera criada contra o Irã, de que está ganhando tempo. Douste-Blazy lembrou que a resolução adotada em 31 de julho pelo Conselho de Segurança da ONU "exige ao Irã a suspensão de todo enriquecimento de urânio até 31 de agosto".O Conselho de Segurança deu essa data como prazo para que as autoridades de Teerã suspendam o enriquecimento de urânio e advertiu o país de que, caso contrário, adotaria sanções.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.