Resposta do Irã é insatisfatória, diz Merkel

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse nesta quinta-feira que a resposta do Irã ao pacote de benefícios em troca do fim do enriquecimento de urânio parece ser insatisfatória. Além disso, Merkel afirmou que falta uma "sentença decisiva" se o Irã interromperá o enriquecimento de urânio. Diplomatas europeus acreditam que o documento será rejeitado pelos países ocidentais. "Ainda estamos examinando, mas de tudo o que ouvimos, não podemos ficar satisfeitos", disse Merkel em entrevista ao canal de TV N24.Nesta terça-feira o Irã apresentou a tão esperada resposta para o pacote de incentivos, criado pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e pela Alemanha. O Conselho de Segurança deu como prazo 31 de agosto para o Irã interromper o enriquecimento de urânio, ou irá encarar o risco de sanções econômicas e políticas. "O que esperávamos não está aqui, que eles iriam dizer: ´estamos suspendendo o enriquecimento de urânio, vamos para a mesa de negociações´, e então conversar sobre as chances e possibilidades para o Irã", constatou a chanceler. "Infelizmente não é o caso; vamos esperar que isso aconteça nos próximos dias, mas a sentença decisiva falta nesta resposta", acrescentou. Merkel não especificou o que a resposta continha. Perguntada sobre quais seriam as possíveis formas de pressionar o Irã, Merkel apontou a necessidade de unidade internacional. "Se a Rússia e a China - muitos, muitos países - a União Européia e os EUA deixarem claro que temos uma demanda aqui, mas também uma oferta ao Irã, aí isso é pressão", respondeu. Rússia e China estão relutantes em impor resoluções ao Irã imediatamente. O Irã insiste que o seu programa nuclear tem fins pacíficos, de produção de energia. Mas críticos suspeitam que o Irã quer urânio enriquecido pois ele também pode ser usado para a produção de armas nucleares.Países ocidentais tendem a rejeitar respostaOs seis países que criaram o pacote de benefícios, e o de sanções, provavelmente rejeitarão os termos de Teerã, pois não se refere à possibilidade de interromper o enriquecimento de urânio, segundo afirmações de diplomatas nesta quinta-feira. Dois diplomatas informados sobre a resposta iraniana disseram à agência de notícias AP, que o documento de 25 páginas de Teerã não sugere a moratória do enriquecimento de urânio, mesmo após o início das negociações. Além disso, os diplomatas afirmaram que o documento inclui apenas uma vaga referência sobre a vontade do Irã de discutir todos os aspectos do programa nuclear do país. Os diplomatas, que falaram de duas capitais européias, deram suas opiniões em condição de anonimato pois não estão autorizados a discutir a proposta confidencial iraniana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.