Sebastien Bozon/AFP
Sebastien Bozon/AFP

Restaurantes franceses desafiam restrições, apesar de sanções

Proprietários de restaurantes franceses reabriram nesta segunda-feira, 1, simbolicamente, para defender o seu 'direito ao trabalho'

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2021 | 06h00

PARIS - Com as persianas de seus estabelecimentos baixadas desde o final de outubro devido à pandemia, alguns proprietários de restaurantes franceses reabriram nesta segunda-feira, 1, simbolicamente para defender o seu "direito ao trabalho", mesmo correndo o risco de sanções e de perderem a ajuda financeira do Estado.

Por trás desse movimento de protesto está um chef de Besançon, no leteste do país, que anunciou que reabriria seu estabelecimento em 1º de fevereiro, incentivando seus colegas a imitá-lo. 

O chef Stéphan Turillon afirma que quer "iniciar um diálogo" com o Estado. "Você não pode lutar contra a pandemia fechando tudo", disse ele à Agência France-Presse enquanto alimentava cem clientes sob uma tenda do lado de fora de seu restaurante.

O ministro da Economia francês, Bruno Le Maire, afirmou nesta segunda-feira que os bares e restaurantes que abrirem, apesar das restrições impostas para conter o coronavírus, terão as ajudas pela pandemia suspensas.      

Os restaurantes que servirem os clientes na mesa terão acesso aos fundos de solidariedade "anulado por um mês" e de forma definitiva se fizerem novamente, anunciou o ministro. 

Os restaurantes e outros negócios obrigados a fechar pela pandemia podem optar por ajudas de 10 mil euros (R$ 65 mil) por mês ou uma indenização de 20% de sua renda, com um máximo de 200 mil (R$ 1, 3 milhão).

No entanto, a iniciativa pegou em toda a França. Em seu bar em Ligescourt, no norte do país, Kathia Boucher instalou seus clientes, respeitando o distanciamento de segurança, em cadeiras alternadas. 

Na ilha da Córsega, no sul, Nathalie Vicens abriu de forma "simbólica" para meia dúzia de amigos. 

Um dos convidados, que preferiu o anonimato, descreveu o gesto como "desobediência civil: há momentos em que é necessário".

Vicens espera que "isso faça o poder político refletir para que encontrem outra solução ao fechamento total".

"Para os hoteleiros, é muito difícil economicamente e moralmente", reconheceu Bruno Le Maire na rádio RTL, "mas isso não justifica violar as normas que são sanitárias".

Em 27 de janeiro, um proprietário de restaurante de Nice, no sudeste, se rebelou contra a medida que proíbe servir comida no interior dos estabelecimentos e serviu 100 pessoas ao meio-dia, o que o levou à delegacia. 

Durante quinta e sexta-feira, a polícia de Paris fechou 24 restaurantes "clandestinos" que trabalhavam com as cortinas fechadas. 

Na sexta, una patrulha da polícia de Paris multou dez juízes que comiam em pé em um terraço ao lado do quartel da polícia da capital.  

Esses são "alguns poucos casos isolados na França", mas "não quero que se estenda e se torne um costume", alertou Le Maire.

Para o primeiro-ministro Jean Castex, esses tipos de estabelecimentos, que estão fechados desde 30 de outubro (embora possam vender comida para levar), não abrirão antes de meados de fevereiro.  

Com uma média de 20 mil novos casos por dia e 75 mil mortos desde o início da pandemia, o governo francês busca a qualquer preço um novo confinamento e anunciou no sábado o fechamento dos centros comerciais não alimentícios de mais de 20 mil metros quadrados.  /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.