Restos mortais de Franco podem ser retirados de monumento espanhol

Segundo ministro, "'á é hora' de Valle dos Caídos, 'um ícone da repressão', tornar um lugar de todos

Efe

14 de junho de 2011 | 12h43

Destino de restos de ex-ditador deverá ser decido junto com família de Franco

 

 

MADRI - O Governo espanhol considera a possibilidade de retirar os restos mortais do general Francisco Franco do memorial do Valle de los Caídos se assim propuser a comissão de especialistas que estuda o futuro do mais emblemático monumento da ditadura franquista.

 

O ministro da Presidência espanhola, Ramón Jáuregui, expressou nesta terça-feira, 14, a disposição do Executivo socialista dirigido por José Luis Rodríguez Zapatero. Segundo Jáuregui, já houve contatos "extraoficiais" com a família de Franco.

 

"Se essa recomendação for feita, negociaríamos para que os restos mortais de Franco fossem depositados no panteão do cemitério de El Pardo, onde está sua viúva", declarou o ministro ao canal de televisão "La Sexta".

 

Mesmo esperando o consenso da família, Jáuregui especificou que se os parentes de Franco recusarem a mudança, o Governo teria capacidade para tomar a decisão por si próprio.

 

À espera da decisão da comissão de especialistas, Jáuregui disse que, caso a mudança seja proposta, gostaria de fazê-la antes do fim da atual legislatura, que termina no primeiro semestre de 2012.

O ministro disse que "já é hora" de "um ícone da repressão do nacional-catolicismo se transformar em um lugar para todos, de memória reconciliada", destacou.

 

"Que façam o que acharem mais adequado e, definitivamente, tratemos os vivos da maneira mais correta possível e os mortos também com o tratamento que a história aconselha", afirmou o presidente do Congresso dos Deputados, o socialista José Bono, acrescentando que qualquer momento é bom "para ajustar contas com a história".

O Valle de los Caídos, maior símbolo da ditadura de Franco, começou a ser construído em 1940 por milhares de presos republicanos, junto com operários e presos comuns. No local, estão depositados os restos mortais de José Antonio Primo de Rivera, fundador da Falange Espanhola, e 33.846 combatentes da Guerra Civil (1936-1939).

 

Em outubro de 2007, o Parlamento espanhol aprovou a Lei da Memória Histórica que condena a ditadura do general Franco e amplia medidas de reconhecimento às vítimas da Guerra Civil, além de ordenar a retirada de símbolos franquistas que ainda sobrevivem e a despolitização do Valle de los Caídos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.