AFP PHOTO/YURI CORTEZ
AFP PHOTO/YURI CORTEZ

Restos mortais de 1 dos 43 estudantes mexicanos do caso Ayotzinapa são reconhecidos

Ossada havia sido enviada neste ano a um Instituto de Genética; alunos desapareceram em 2014 no Estado de Guerrero

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2020 | 18h40

CIDADE DO MÉXICO - Os restos mortais de um dos 43 estudantes mexicanos desaparecidos no Estado de Guerrero em setembro de 2014 - no conhecido caso Ayotzinapa - foram identificados, informou nesta terça-feira, 7, o promotor do caso, Omar Gómez.

"Corresponde ao estudante Christian Alfonso Rodríguez Telumbre", afirmou Gómez. Essa foi uma das seis ossadas encontradas no município de Cocula e enviadas neste ano pela Promotoria ao Instituto de Genética da Universidade de Innsbruck.

O que é considerado um dos casos mais graves de violência do México começou na noite de 26 de setembro de 2014, quando dezenas de estudantes foram a Iguala para pegar os ônibus que queriam usar em seus protestos. 

Eles foram baleados e capturados por policiais ligados ao cartel de drogas da Guerreros Unidos. Desde então, o paradeiro de 43 deles é desconhecido. Uma das linhas de investigação indica que os estudantes foram confundidos com membros do cartel Los Rojos.

De acordo com a versão da promotoria, os estudantes foram detidos por policiais corruptos de Iguala e entregues a membros do cartel Guerreros Unidos, conhecido por sua violência. / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
México [América do Norte]cartel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.