Resultado da resolução da ONU deve ser saída de Kadafi, diz Hillary

Comunidade internacional reage com ceticismo a anúncio de cessar-fogo feito pelo ditador líbio

estadão.com.br,

18 de março de 2011 | 11h58

A comunidade internacional reagiu com ceticismo ao anúncio de cessar-fogo feito pelo governo da Líbia nesta sexta-feira, 18. A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, disse que o resultado final da resolução aprovada ontem pela ONU deve ser a saída d do ditador Muamar Kadafi do poder. De acordo com os rebeldes, a luta continua nem Misrata.

 

Veja também:

 especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blogGustavo Chacra: Votação mostra nova ordem geopolítica

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio 

 

"Não vamos nos deixar ser levados por palavras. Temos de verificar atitudes no palco do conflito e isto ainda não está totalmente claro", disse Hillary após encontra com o vice-premiê irlandês Eamon Gilmore.

 

"Continuaremos trabalhando com nossos parceiros na comunidade internacional para pressionar Kadafi a renunciar e apoiar as aspirações legítimas do povo líbio", acrescentou.

A França disse que segue cautelosa depois do anuncio de um cessar-fogo, e afirmou que a ameaça no terreno não mudou na Líbia. "Precisamos ser muito cautelosos. Kadafi agora está começando a ficar com medo, mas no terreno a ameaça ainda não mudou", disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Bernard Valero à Reuters TV.

A Itália, por sua vez, se disse pronta para participar totalmente de qualquer operação militar na Líbia. "Algumas nações, entre elas Reino Unido, França e EUA, além de países árabes estão dispostos a criar esta coalizão, da qual participaremos sem reserva", disse o ministro da Defesa, Ignazio La Russa.

De acordo com ele, a Itália pode neutralizar radares líbios. A cidade de Nápoles, no sul da península, poderia servir de base para as operações.  As bases da Sicília também já foram liberadas.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, disse que a Líbia precisa cessar todas as hostilidades imediatamente e obedecer todos os elementos da resolução do Conselho de Segurança.

 

A Rússia, que se absteve na votação de ontem ao lado de Alemanha, Brasil, Índia e China, elogiou o cessar-fogo. "Espero que seja um sinal de que as autoridades líbias estejam recobrando o juízo", disse o chefe da comissão de Relações Exteriores do Parlamento russo, Konstantín Kosachov.

 

Na noite de ontem, o Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução que prevê a imposição de uma zona de exclusão aérea (ZEA) na Líbia e 'todas as medidas necessárias para proteger civis', exceto uma incursão terrestre.  Na prática, a ZEA implica no ataque à defesa antiárea líbia e no abate de qualquer avião militar que levante voo na área demarcada.

 

Leia ainda:

link ONU autoriza intervenção na Líbia

link Intervenção pode ser prejudicial, diz Brasil

linkExclusão aérea foi imposta ao Iraque nos anos 90

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.