Resultados parciais dão vitória a esquerdista no Equador

O candidato de esquerda à presidência do Equador, Rafael Correa, mantém uma clara vantagem sobre o multimilionário Álvaro Noboa, seu rival no segundo turno das eleições realizadas neste domingo, e deve ser eleito o novo presidente do país. Segundo o site do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE), com 17.476 das 36.613 mesas do país contabilizadas (ou 47,73% das urnas), Correa obteve 2.018.740 votos, o que representa 68,28% do total parcial, enquanto Noboa tem 937.910 votos, ou 31,72%. O presidente do TSE, Javier Cazar, disse à cadeia "Voz e Voto", integrada pelos canais de televisão "Telecentro" e "Gamavisión", que a única província onde a apuração foi concluída é Carchi, no norte do país. Na província de Guaias, cuja capital é Guayaquil, a segunda maior cidade do país, a apuração foi suspensa no domingo à noite devido a um pedido de Noboa para que fosse feita uma contagem voto a voto. O TSE prevê concluir a apuração oficial antes da próxima quarta-feira. Boca de Urna As pesquisas de boca de urna também dão ampla vantagem à Correa, amigo pessoal do presidente venezuelano Hugo Chávez. Três levantamentos e duas contagens superficiais das atas eleitorais logo após o término da votação deram a vitória a Correa, do movimento Aliança País. Segundo apuração parcial da ONG Participação Cidadã, que inspecionou 1.607 atas eleitorais das mais de 36 mil em todo o país, Correa tinha 56,4% dos votos, contra 43,6% de Noboa, do Partido Renovador Institucional de Ação Nacional (Prian). Uma pesquisa de boca de urna divulgada na Teleamazonas, canal da televisão equatoriana, confere 57% dos votos válidos a Correa e 43% a Noboa. Outras duas empresas de pesquisas, que divulgaram seus resultados em outros canais de televisão, deram resultados similares, com 15 a 13 pontos de vantagem para Correa sobre Noboa. Apenas a Consultr, empresa que trabalha exclusivamente para o candidato Álvaro Noboa, conferiu a vitória ao candidato do Prian, com 42% dos votos contra 36% de Correa. Matéria ampliada às 13h15

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.