Retenção de fragata argentina derruba chefe de inteligência

Navio está em Gana há 18 dias a pedido de um fundo de investimentos que cobra calote do governo de Cristina

ARIEL PALACIOS , CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES , O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2012 | 03h00

A retenção da fragata Libertad, o histórico navio-escola da Marinha argentina, no porto de Tema, em Gana, provocou a queda de mais um integrante do governo da presidente Cristina Kirchner. A nova vítima do escândalo que a oposição e a imprensa estão chamando de papelão é a chefe do Departamento Nacional de Inteligência Estratégica Militar da Argentina, Maria Lourdes Puente Olivera, que renunciou ao cargo.

A Libertad completa hoje 18 dias de retenção no golfo da Guiné, a pedido de um fundo de investimentos dos EUA, o NML-Elliot, que possui títulos da dívida pública argentina que estão em estado de calote desde dezembro de 2001. A Justiça de Gana emitiu um parecer a favor do NML-Elliot, que exige que a Argentina pague os títulos integralmente. O tribunal ganense afirma que liberaria o navio caso o governo Kirchner pague a fiança de US$ 20 milhões.

No entanto, Cristina Kirchner afirma que não pagará a fiança nem o fundo de investimento. Ela e seus ministros chamam o NML-Elliot de "fundo abutre".

Na quinta-feira, durante uma cerimônia religiosa na província de Corrientes, Cristina invocou a intercessão divina e pediu a proteção da Virgem de Itatí contra "aqueles lá de fora" que querem cravar suas garras na Argentina.

Maria Lourdes - a primeira e única mulher que comandou um organismo de inteligência do Estado argentino - foi acusada pelo jornal Página 12, alinhado com o governo, de integrar uma suposta conspiração de um setor da Marinha para prejudicar a imagem da presidente Cristina com a retenção da fragata na costa africana.

Na segunda-feira renunciou o chefe da Marinha argentina, almirante Carlos Alberto Paz. O próprio ministro da Defesa, Arturo Puricelli, segundo rumores em Buenos Aires, estaria com os dias contados. No entanto, a oposição afirma que além da Armada e do Ministério da Defesa, também foram ingênuos a chancelaria argentina e o secretário de comércio interior, Guillermo Moreno.

Na semana passada o governo Kirchner enviou a Gana o vice-chanceler Eduardo Zuaín e o vice-ministro da Defesa, Alfredo Forti, para tentar liberar o navio. Ontem, ambos representantes argentinos voltavam à Buenos Aires sem resultados. Os mais de 300 marinheiros argentinos, além de três dezenas de convidados especiais uruguaios e chilenos, permaneciam em Tema, aguardando uma solução para o impasse.

Enquanto isso, o NML-Eliott ofereceu ao governo argentino arcar com os custos da repatriação dos tripulantes da fragata.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.