Retirada da Cisjordânia será base do programa do novo governo de Israel

O líder do partido Kadima, Ehud Olmert, que recebeu nesta quinta-feira do presidente de Israel, Moshé Katsav, o mandato para formar o próximo Executivo, assegurou que a retirada da Cisjordânia será parte do programa de governo. "Nossas posições e planos são conhecidos por todos, e receberam o apoio da população nas eleições. Portanto, serão a base das atividades de meu governo", anunciou Olmert em entrevista coletiva na residência presidencial. A proposta foi feita durante a campanha de abandonar os assentamentos judaicos mais isolados da Cisjordânia para fixar as fronteiras de Israel até 2010. O chefe de governo israelense acrescentou que, embora não vá vetar de antemão nenhum partido que queira unir-se ao seu gabinete, qualquer um que queira fazê-lo deverá aceitar tais diretrizes. O Kadima obteve 29 das 120 cadeiras do Parlamento nas eleições do último dia 28 e sua nomeação como primeiro-ministro foi recomendada por mais da metade dos parlamentares. Entre os partidos que não recomendaram nenhum candidato para o cargo de chefe do Executivo estiveram todos os da direita nacionalista e os três partidos árabes. Olmert também agradeceu a missão a Katsav, disse que tentará formar uma coalizão estável para governar o mais rápido possível e espera poder apresentar seu Executivo em três semanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.