Retirada das tropas americanas do Afeganistão deve ser concluída em 31 de agosto, diz Biden

Retirada das tropas americanas do Afeganistão deve ser concluída em 31 de agosto, diz Biden

Presidente americano afirmou que povo afegão tem direito e responsabilidade de decidir seu futuro

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2021 | 16h45

WASHINGTON - O presidente americano Joe Biden anunciou nesta quinta-feira, 8, que a missão militar dos Estados Unidos no Afeganistão será concluída em 31 de agosto, quase 20 anos após seu início, e garantiu que a tomada do país pelo Taleban não é inevitável.

"Não fomos ao Afeganistão para construir uma nação”, afirmou. "É direito e responsabilidade do povo afegão decidir seu futuro."

Biden afirmou que as forças militares dos EUA alcançaram seus objetivos no país: matar Osama bin Laden, enfraquecer a Al-Qaeda e prevenir novos ataques contra os Estados Unidos."Estamos encerrando a guerra mais longa da América", disse. “O status quo não é uma opção. Não vou enviar outra geração de americanos para lutar no Afeganistão", disse sobre permanecer no país.

Biden acrescentou que as autoridades afegãs tem capacidade de garantir a continuidade do governo. "A probabilidade de haver um governo unido no Afeganistão que controle todo o país é altamente improvável", destacou, no entanto. 

Biden também falou sobre os afegãos que colaboravam com os militares dos EUA, que agora correm o risco de represálias por ajudar as forças estrangeiras. "Há um lar para você na América, se você escolher", disse ele. "Vamos apoiá-lo como você nos apoiou."

Cerca de 18 mil intérpretes, motoristas ou contratados afegãos estão esperando para ver se eles podem se estabelecer nos Estados Unidos. O processamento de tais solicitações normalmente leva anos.

As forças do Taleban e do Afeganistão lutaram nesta quinta-feira pelo segundo dia consecutivo na cidade de Qala-i-Naw, a primeira capital provincial do Afeganistão a ser atacada por insurgentes desde o início da retirada das tropas americanas. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.