Retirada de embaixador de Israel preocupa venezuelanos

A crise diplomática entre Israel e a Venezuela desencadeada pelo anúncio venezuelano de expulsão do embaixador de Israel no país provocou hoje preocupações entre opositores, analistas políticos e autoridades eclesiásticas no país latino-americano, que temem uma ruptura nas relações entre os dois países. O porta-voz da chancelaria de Israel, Yigal Palmor, declarou à imprensa em Tel-Aviv que o embaixador de Israel na Venezuela, Shlomo Cohen, foi informado por escrito que ele e seu pessoal diplomático devem deixar o país dentro de 72 horas. O governo do presidente Hugo Chávez anunciou na noite de ontem que decidiu expulsar Cohen e parte do pessoal diplomático de Israel, em exigência ao "respeito ao direito internacional". Chávez disse no começo da semana que Israel, na atual ofensiva contra a Faixa de Gaza, prática de "assassinato" e de "genocídio" de palestinos. O embaixador israelense foi qualificado como "persona non grata" na Venezuela. Israel respondeu hoje que estuda a expulsão dos diplomatas venezuelanos que servem em Tel-Aviv.Enquanto isso, o presidente da Conferência dos Bispos da Venezuela, o monsenhor Ubaldo Santana, manifestou hoje sua preocupação por considerar que a expulsão do embaixador israelense poderá levar ao final das relações diplomáticas entre os dois países. "Espero que não cheguemos a uma simples ruptura e que possamos nos manter em paz porque aqui na Venezuela vivem e convivem homens e mulheres de muitas raças, nacionalidades e religiões. Qualquer conflito internacional pode ter impacto na qualidade da nossa convivência", disse Santana.O ex-embaixador da Venezuela na Organização das Nações Unidas (ONU) Milos Alcalay lembrou que até agora a Venezuela é o único país que decidiu expulsar o embaixador de Israel. "Existe uma situação desequilibrada, muito identificada com o Hamas, muito identificada com o Hezbollah e realmente não é a melhor contribuição para a paz na região. A Venezuela, inexoravelmente, está se enquadrando em uma linha de respaldo a forças terroristas", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.