Retirada do Afeganistão traz ecos da URSS

Arquivos soviéticos mostram que Gorbachev viveu em 1989 dilemas similares aos enfrentados hoje pelo governo Obama

THOM SHANKER , THE NEW YORK TIMES , O Estado de S.Paulo

03 de janeiro de 2013 | 02h06

Um jovem presidente assume o governo com a promessa de mudança e decide pôr fim a uma guerra impopular e dispendiosa. Ele busca uma saída honrosa, promete apoio financeiro a longo prazo para seus aliados em Cabul e defende uma reconciliação com a insurgência. Mas alguns assessores insistem numa retirada mais lenta e propõem que milhares de soldados permaneçam no país para treinar e dar apoio às forças afegãs.

Essa é uma descrição quase exata do quebra-cabeça enfrentado pelo presidente Barack Obama quando se prepara para uma visita crucial do líder afegão, Hamid Karzai, na próxima semana. Mas o relato está nos arquivos secretos soviéticos que descrevem a disputa, a portas fechadas, de Mikhail Gorbachev com o politburo e os comandantes das Forças Armadas para por fim à intervenção soviética no Afeganistão. O envolvimento de Moscou começou com o ataque de um comando, um golpe e alvos modestos no Natal de 1979, mas depois de uma década transformou-se no que Gorbachev chamou de "ferida em sangue".

Conflito. A retirada de 1989 é lembrada pela humilhação da URSS e os consequentes confrontos entre facções em todo Afeganistão, lançando o país numa guerra civil selvagem, que acabou colocando o Taleban no controle e criando um refúgio seguro para a Al-Qaeda. Mas estudiosos que analisaram os arquivos soviéticos destacam outras lições para o governo Obama, que coordena a saída das forças de combate até o fim de 2014.

"O que os soviéticos fizeram corretamente foi continuar a assistência militar em larga escala ao regime deixado no país após sua retirada final", disse Mark N. Katz, professor da George Mason University. "Enquanto o regime afegão recebeu dinheiro e armas foi bem-sucedido e se manteve no poder por três anos", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.