Retomada busca por sobreviventes na Indonésia

Mais de cem pessoas retomaram hoje pela manhã a busca de sobreviventes na aldeia javanesa soterrada pela lama, diante do angustiante olhar de parentes e moradores."As possibilidades de encontrar alguém com vida são muito pequenas", disse à EFE o diretor do departamento de Bem-Estar Social de Banjarnegara, Yusman Irianto, de onde são dirigidas as operações em Cijeruk, a aldeia soterrada, cerca de 370 quilômetros ao leste de Jacarta.As equipes de resgate contam com poucos meios cuidar dos quase seis hectares devastados, e muitas pessoas escavam com pás e com as próprias mãos a desoladora paisagem de barro e escombros. Cada corpo encontrado é mostrado às pessoas que se amontoam atrás dos cordões de segurança estabelecidos pela polícia.Até o momento, os trabalhadores encontraram 42 corpos, mas a morte de um dos feridos transferidos ontem para o hospital eleva o balanço provisório para 43 mortos. As autoridades locais acham que pelo menos outros cem corpos estão sob a lama, um número similar ao de pessoas desaparecidas.Dezenas de moradores de Cijeruk estavam na mesquita no momento da tragédia e outros correram para lá para buscar refúgio ao ouvir o forte barulho procedente da montanha."Alguns correram para a mesquita para buscar a proteção divina, achando que não seria derrubada, como aconteceu em Aceh", disse Irianto, em referência ao maremoto que em 26 de dezembro de 2004 arrasou grande parte da província de Aceh, no norte da ilha de Sumatra. Aquele cataclismo destruiu cidades inteiras, mas inexplicavelmente as mesquitas ficaram de pé.Os trabalhos de resgate e remoção de escombros avançam com lentidão em Cijeruk por causa da chuva, que ontem provocou a interrupção dos trabalhos à tarde, deixando os familiares mais desesperados."Minha mãe está ali debaixo. Não nos deixam entrar para que busquemos mas eles também não buscam. Por favor, precisamos de mais ajuda!", disse ontem à noite à rede Metro TV uma jovem indonésia."Caso chova como ontem, será impossível trabalhar, porque o risco de uma nova avalanche é muito grande", disse um funcionário.O deslizamento de terras em Cijeruk aconteceu apenas três dias após uma enchente ter alagado quatro aldeias do distrito de Jember, em Java Oriental. O número de mortes na enchente varia das 71 contabilizadas pelo governo local às 119 divulgadas pelas equipes de resgate policial.O presidente indonésio, Susilo Bambang Yudhoyono, prometeu hoje às quase dez mil pessoas que ficaram desabrigadas em Jember que a reconstrução será rápida."O governo se compromete a reconstruir as infra-estruturas destruídas pelo desastre natural com rapidez", afirmou Yudhoyono no acampamento temporário instalado nos arredores do povoado de Kemiri.As declarações do governante contrastam com as realizadas ontem por altos funcionários locais, que assinalaram que a reconstrução deverá esperar dois meses, até que parem as chuvas desta estação, que na Indonésia dura de novembro a abril.Embora as enchentes e os deslizamentos de terras sejam freqüentes na Indonésia nesta época do ano, os grupos de proteção do meio ambiente advertem que o desmatamento descontrolado aumenta o perigo de catástrofes naturais.A enchente mais grave dos últimos anos na Indonésia ocorreu em 2003 em Bahorok, um popular destino turístico ao norte da ilha de Sumatra, e matou cerca de 200 pessoas, em sua maioria turistas locais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.