Retomada sessão para desnuclearização da Coréia do Norte

As negociações a seis para a desnuclearização da Coréia do Norte entraram nesta quarta-feira, 21, no seu terceiro dia, com Rússia, Japão, Estados Unidos, China e Coréia do Sul procurando se concentrar nos planos para desmantelar as instalações nucleares norte-coreanas.Nesta quarta-feira, as seis partes tentarão elaborar um esboço do que seriam as próximas fases de desnuclearização da Coréia do Norte, após o fechamento do reator de Yongbyon, na primeira etapa.Washington prevê negociações ainda mais complicadas que as atuais. Pyongyang deveria fechar Yongbyon e prestar informações sobre todo o seu material suscetível de fissão, incluindo o suposto programa de enriquecimento de urânio, que iniciou a crise em 2002.No entanto, o tema principal ainda é o financeiro. Na terça-feira, ao boicotar uma das reuniões, a Coréia do Norte mostrou que não avançará no diálogo enquanto não receber os US$ 25 milhões de suas contas no Banco Delta Asia (BDA), pendentes de ser transferidas ao Banco da China."Espero que a questão do BDA se resolva e as conversas se realizem. É também importante avançar em discussões mais substanciais em matéria de desnuclearização", destacou nesta quarta-feira o negociador japonês, Kenichiro Sasae, falando à imprensa de seu país.ParalisaçãoAs reuniões de terça-feira, que serviriam para analisar os passos dados para fechar o reator de Yongbyon em 60 dias, foi paralisada pela recusa de Pyongyang a participar de uma sessão plenária porque o dinheiro de Macau ainda não chegou às suas contas.A delegação norte-coreana, com o vice-chanceler Kim Kye-gwan à cabeça, se reuniu depois com a dos EUA. O negociador americano Christopher Hill afirmou que a Coréia do Norte continua comprometida com sua desnuclearização, apesar da espinhosa questão do BDA."Os delegados norte-coreanos por enquanto estão muito preocupados com a falta do dinheiro", disse Hill na noite de terça-feira.As contas norte-coreanas no BDA foram congeladas durante 19 meses a pedido de Washington, que suspeita de atividades ilícitas do regime comunista, tais como falsificação e lavagem de dinheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.