Doug Mills/NYT
Doug Mills/NYT

Retórica de Trump alimenta nova forma de bullying em escolas americanas

Levantamento mostra que estudantes e funcionários de colégios usaram slogans de campanha e nome do presidente para assediar crianças mais de 300 vezes desde o início de 2016; maior parte das vítimas é de origem latina

Hannah Natanson, John Woodrow Cox and Perry Stein, The Washington Post

14 de fevereiro de 2020 | 04h00

Dois alunos do jardim de infância em Utah disseram a um garoto latino que o presidente Trump o mandaria de volta ao México, e adolescentes no Maine zombaram de vetos a muçulmanos para uma colega de classe que usava hijab. No Tennessee, um grupo de estudantes do ensino médio deu os braços, imitando o muro proposto pelo presidente, enquanto se recusava a deixar estudantes não brancos passarem. Em Ohio, outro grupo de estudantes do ensino médio cercou uma aluna da sexta série e, como ela confidenciou à mãe, disse à garota: “Este é o país de Trump”. 

Desde a ascensão de Trump ao mais alto cargo dos Estados Unidos, sua linguagem inflamatória – muitas vezes condenada como racista e xenofóbica – se infiltrou nas escolas dos Estados Unidos. Muitos ‘valentões’ agora atacam outras crianças de maneira diferente do que costumavam fazer – com crianças de 6 anos imitando insultos do presidente e a maneira cruel como ele os faz.

As palavras de Trump, aquelas cantadas por seus seguidores em comícios de campanha, e até mesmo seu sobrenome foram usados por estudantes e funcionários de escolas para assediar crianças mais de 300 vezes desde o início de 2016, diz uma análise do Washington Post a partir de 28 mil notícias sobre o tema. Pelo menos três quartos dos ataques foram direcionados a crianças latinas, negras ou muçulmanas, segundo a análise. Estudantes também foram vitimados por apoiarem o presidente – mais de 45 vezes no mesmo período. 

Embora muitos episódios de ódio tenham recebido atenção logo após a eleição, o The Post descobriu que a perseguição à crianças usando a retórica de Trump nunca parou. Mesmo sem contar o grande número de casos de novembro de 2016, uma média de quase dois incidentes por semana escolar foi relatada publicamente nos últimos quatro anos. Ainda assim, como grande parte do bullying nunca aparece nas notícias, esse número representa uma pequena fração do total real. Também não inclui os milhares de insultos suásticas e epítetos raciais que não estão diretamente ligados a Trump, mas que seus críticos dizem terem sido popularizados pelo presidente. 

"As coisas pioraram desde que Trump foi eleito", disse Ashanty Bonilla, 17 anos, uma estudante do ensino médio mexicano-americana que enfrentou tanto assédio de colegas no ano passado que pediu transferência de escola. “Eles escutam isso. Eles acham que está tudo bem. O presidente diz isso...Por que eles não podem?”

Questionada sobre o efeito de Trump no comportamento dos alunos, a secretária de imprensa da Casa Branca Stephanie Grisham observou que a primeira-dama Melania Trump – cuja campanha "Be Best" denuncia assédio online – incentivou crianças de todo o mundo a se tratarem com respeito.

“Ela sabe que o bullying é um problema universal para as crianças, que será difícil de deter por completo”, escreveu Grisham em um email, “mas a Sra. Trump continuará seu trabalho em nome da próxima geração, apesar do apetite da mídia para culpá-la por ações e situações fora de seu controle."

A maioria das escolas não rastreia o fenômeno do bullying associado à Trump e pesquisadores não perguntaram sobre isso em uma pesquisa federal que envolveu 6.100 estudantes em 2017, o ano mais recente com dados disponíveis. Uma em cada cinco dessas crianças, de 12 a 18 anos, relatou sofrer bullying na escola, uma taxa inalterada desde a contagem anterior em 2015.

No entanto, uma pesquisa online do Southern Poverty Law Center de 2016 com mais de 10 mil jardins de infância descobriu que mais de 2.500 “descreveram incidentes específicos de fanatismo e assédio que podem ser diretamente relacionados à retórica eleitoral”, embora a grande maioria nunca tenha virado notícia. Em 476 casos, os infratores usaram a frase “Construa o muro". Em 672, eles mencionaram deportação.

Para Cielo Castor, que é mexicana-americana, a experiência no Kamiakin High em Kennewick, Washington, foi dolorosa. No dia seguinte à eleição, um amigo disse a Cielo, então no segundo ano, que estava feliz por Trump ter vencido porque os mexicanos estavam roubando empregos nos EUA. Um ano depois, quando o presidente foi mencionado durante seu curso de literatura americana, ela disse que não o apoiava e um colega de classe se recusou a sentar ao lado dela.

"Não quero estar perto dela", Cielo lembrou-se de ouvir.

Então, na "Noite da América", em um jogo de futebol em outubro de 2018 durante o último ano da Cielo, colegas de escola exibiram a bandeira "Make America Great Again". Liderados pelo garoto que não se sentava ao lado de Cielo, os adolescentes começaram a cantar: "Construa o muro!"

Horrorizada, ela confrontou o instigador. "Você não pode estar fazendo isso", disse Cielo.

Ele a ignorou, ela lembrou, e os adolescentes ao seu redor a vaiaram. Um treinador de torcida foi o único adulto que tentou fazê-los parar.

Depois que uma foto dos adolescentes com a bandeira apareceu nas mídias sociais, notícias sobre o que aconteceu enfureceram muitos latinos da escola, que compunham cerca de um quarto do corpo estudantil de 1.700 membros. Cielo, então com 17 anos, esperava que os funcionários da escola resolvessem a tensão. Quando não o fizeram, ela participou de uma reunião do conselho escolar. "Não me cuidada", ela disse aos membros, chorando.

Um dia depois, o superintendente a consolou e o diretor perguntou como ele poderia ajudar, lembrou Cielo, agora uma caloura da faculdade. Posteriormente, os funcionários da escola dirigiram-se a todas as turmas, mas os estudantes latinos ainda estavam com tanta raiva que organizaram uma paralisação.

Alguns estudantes insultaram os manifestantes, acenando para eles. No final do dia, Cielo saiu da escola com um amigo branco que havia participado do protesto; eles passaram por uma classe que ela não conhecia.

"Olha", disse o garoto, "é um daqueles malditos mexicanos".

Ela soube que os administradores da escola – que não quiseram ser entrevistados para este artigo – suspenderam o adolescente que liderou o cântico, mas ela duvida que ele tenha mudado.

Contatado via Instagram, o adolescente se recusou a falar sobre o que aconteceu, escrevendo em uma mensagem que ele não queria discutir o incidente "porque ficou no passado e todo mundo se afastou". No final, adicionou uma assinatura: "Trump 2020".

Assim como o presidente tem mirado repetidamente nos latinos, também o fazem agressores escolares. Dos incidentes registrados pelo Post, metade dos alvos eram latinos.

Em um dos casos mais extremos de abuso, um garoto de 13 anos em Nova Jersey disse a um colega de escola mexicano-americano, de 12 anos, que "todos os mexicanos deveriam voltar atrás do muro". Um dia depois, em 19 de junho de 2019 , o garoto de 13 anos agrediu o garoto e sua mãe, Beronica Ruiz, dando-lhe um soco e a espancando até que ela ficasse inconsciente, disse o advogado da família, Daniel Santiago. Ele se pergunta até que ponto a repetida difamação de Trump contra certas minorias teve um papel.

"Quando o presidente aparece na TV e diz coisas como ‘mexicanos são estupradores, mexicanos são criminosos’ – essas crianças não têm capacidade cognitiva de dizer: 'Ele está apenas fazendo o papel de político' ', argumentou Santiago. "A linguagem que ele está usando é importante."

O filho de Ruiz, que agora está frequentando um terapeuta, continua tendo pesadelos com essa experiência que pode levar anos para ser superada. Mas especialistas dizem que a linguagem discriminatória pode, por si só, prejudicar as crianças, especialmente as não brancas que podem já se sentir marginalizadas.

"Causa danos graves, tanto físicos quanto psicológicos", disse Elsa Barajas, que aconselhou mais de 1.000 crianças em seu trabalho no Departamento de Saúde Mental de Los Angeles.

Como resultado, ela viu estudantes latinos sofrerem de insônia, perderem o interesse na escola e sentirem dores de estômago e dores de cabeça inexplicáveis.

Para Ashanty Bonilla, o dano começou com a resposta a um único tweet que ela compartilhou há 10 meses.

“Opinião impopular”, escreveu Ashanty, então com 16 anos e cursando o segundo ano na Lewiston High School, na zona rural de Idaho, em 9 de abril. “As pessoas que apóiam Trump e vão de férias ao México realmente me irritam. Sinto muito, mas não sinto”.

Uma colega de escola, branca, tirou uma captura de tela do seu tweet e postou no Snapchat, junto com uma bandeira dos Estados Confederados.

"Opinião impopular, mas: as pessoas que são do México e chegam ilegalmente aos Estados Unidos ou que só chegam realmente me irritam", acrescentou em uma mensagem que se espalhou rapidamente entre os estudantes.

Na manhã seguinte, quando Ashanty chegou à escola, meia dúzia de jovens, incluindo a que havia escrito a mensagem, estavam próximos.

"Você é ilegal. Volte para o México – ela ouviu um deles dizer. "F*** mexicanos".

Ashanty, abalada, mas em silêncio, passou por um amigo que gritava para os meninos calarem a boca.

Em uma cidade de 33.000 pessoas, 94% branca, Ashanty, cujo pai é meio negro e cuja mãe é americana mexicana, sempre lutou para se encaixar. Ela participou de todos os jogos de futebol e ganhou um prêmio de espírito escolar como caloura. Ela alisou os cabelos e pintou-os de loiro, esperando parecer mais com suas amigas.

Ela conhecia aqueles garotos que a assediavam desde pequenos. No seu aniversário de 15 anos, no ano anterior, alguns dançaram na sua festa.

Um amigo a levou para fora do campus para almoçar, mas quando eles voltaram para o estacionamento, Ashanty viu pessoas em pé ao redor de seu carro. Uma corda amarrava a parte traseira do Honda Pilot a uma caminhonete.

"Trump 2020", alguém havia escrito no pó em sua janela de trás.

Com as mãos tremendo, Ashanty tentou desatar a corda, mas não conseguiu. Ela ouviu o riso, sentiu as câmeras dos celulares apontadas para ela. Começou a chorar.

O diretor de Lewiston, Kevin Driskill, disse que ele e sua equipe se encontraram com os garotos envolvidos, deixando claro que "temos tolerância zero para qualquer tipo de ação como essa". Os incidentes, ele suspeitava, se originavam principalmente da ignorância.

"Nossa falta de diversidade provavelmente vem com uma falta de entendimento", disse Driskill, mas acrescentou que está encorajado pela recente criação do distrito escolar de um grupo comunitário – após incidentes racistas em outros campi – com o objetivo de abordar essas questões.

Esse esforço chegou tarde demais para Ashanty.

Alguns amigos a apoiaram, mas outros disseram que os meninos estavam apenas brincando. ‘Não estrague suas vidas’.

Ela raramente frequentava as aulas no último mês de escola. Naquele verão, ela começou a ter enxaquecas e ataques de pânico.

Em agosto, em meio ao seu desespero crescente, Ashanty engoliu 27 comprimidos de um frasco de antidepressivos. Um helicóptero a levou a um hospital em Spokane, Washington, a 160 quilômetros de distância.

Depois disso, ela começou a procurar um terapeuta e, junto com o amigo que a defendia, foi transferida para outra escola. Às vezes, ela imagina como a vida poderia ser diferente se nunca tivesse escrito aquele tweet, mas tenta não se culpar e aprendeu a se orgulhar mais de sua origem. Ela só deseja que o presidente entenda o mal que suas palavras causam.

Até o sobrenome de Trump tornou-se uma espécie de insulto para muitas crianças não brancas, se escutado nos corredores ou, no caso dela, escrito na janela traseira de um carro. "Isso significa", ela disse, "que você não pertence a este lugar."

Três semanas depois do ano letivo de 2018-19, a professora de inglês de Miracle Slover, ela alega, ordenou que estudantes negros e latinos sentassem na parte de trás da sala de aula na escola secundária de Fort Worth.

Na época, Miracle era uma estudante júnior. Georgia Clark, sua professora em Amon Carter-Riverside, muitas vezes citou Trump, disse Miracle. Ele era uma boa pessoa, ela disse à classe, porque ele queria construir um muro.

"Todo dia era algo novo com a imigração", disse Miracle, agora com 18 anos, que tem mãe negra e pai de raça mista. “Esse Trump precisa levar os [imigrantes] embora. Eles usam drogas, trazem drogas para cá. Eles causam violência. ”

Alguns estudantes tentaram filmar Clark e outros reclamaram com os administradores, mas nada disso fez diferença, disse Miracle. Clark, uma funcionária do sistema de Fort Worth desde 1998, continuou falando.

Clark, que nega as alegações da adolescente, é uma dos mais de 30 educadores em todo o país acusados ​​de usar o nome ou a retórica do presidente para assediar os estudantes desde que ele anunciou sua candidatura, segundo o levantamento do Post.

Na aula de Clark, Miracle ficou quieta até o final da primavera de 2019. Naquele dia, ela entrou com o cabelo "inchado", dividido em dois rabos altos.

Clark, disse ela, disse que ela parecia "uma fralda, como Marge do [desenho] Os Simpsons". Incapaz de abafar uma resposta irritada, Miracle foi ao escritório do diretor. Um administrador pediu que ela escrevesse uma declaração de testemunha e, nela, ela finalmente soltou tudo, rabiscando sua frustração por sete páginas.

"Eu apenas me cansei disso", disse ela. "Eu escrevi uma tonelada."

Ainda assim, disse Miracle, as autoridades da escola não tomaram nenhuma ação até seis semanas depois, quando Clark, 69, twittou para Trump – no que ela pensava serem mensagens privadas – solicitando ajuda para deportar imigrantes indocumentados nas escolas de Fort Worth. Os posts se tornaram virais, gerando comoção nacional. Clark foi demitida.

Porém, nem sempre os criminosos são removidos da sala de aula.

No dia seguinte às eleições de 2016, a filha de Donnie Jones Jr. estava andando por um corredor em sua escola na Flórida, quando, segundo ela, uma professora avisou a ela e a dois amigos – todos do segundo ano, todos negros – que Trump “os mandaria de volta para a África.

O distrito suspendeu a professora por três dias e a transferiu para outra escola.

Poucos dias depois, na Califórnia, um professor de educação física disse a um aluno que ele seria deportado sob Trump. Dois anos atrás, no Maine, um professor substituto fez referência ao muro do presidente e prometeu a um estudante libanês americano: "Você será expulso do meu país". Mais de um ano depois, no Texas, um funcionário da escola mostrou uma moeda com a palavra “ICE” (agência de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos) a um estudante latino-americano. "Trump", ele disse, "está trabalhando em uma lei na qual ele pode deportar você".

Às vezes, disse Jones, ele não reconhece a América.

"As pessoas agora dizem coisas que alguns anos atrás não ousariam dizer", argumentou Jones. Ele teme o que seus dois filhos mais novos, de 11 e 9 anos, podem ouvir nos corredores da escola, especialmente se Trump for reeleito.

Agora graduada, Miracle não se arrepende do que escreveu sobre Clark. Embora o furor que se seguiu tenha forçado Miracle a mudar de escola e deixar seu amado time de dança, ela o faria novamente, disse. A punição de Clark, sua desgraça pública, valeu a pena.

Cerca de uma semana antes do aniversário de 18 anos de Miracle, sua mãe consultou o Facebook para encontrar uma enxurrada de notificações. Os amigos estavam enviando mensagens para dizer que Clark apelou de sua demissão e que o comissário de educação do Texas havia intervindo.

Relutante em estragar o aniversário, Jowona Powell esperou vários dias para contar à filha, que não usa as mídias sociais.

Citando um pequeno passo em falso no processo de demissão da diretoria da escola, o comissário ordenou que Carter-Riverside pagasse o salário de Clark por um ano – ou devolvesse o emprego à ex-professora.

Jordyn Covington ficou de pé quando ouviu as vaias.

"Macaca!" "Você não pertence aqui." "Volte para de onde você veio!”

Do alto das arquibancadas daquele dia de outubro, Jordyn, 15 anos, podia ver as lágrimas de suas companheiras de time de vôlei da Piper High School. Eram todas negras, todas do Kansas. Como ela.

Quem estava gritando? Jordyn se perguntou.

Ela olhou para os alunos na seção oposta. A maioria deles era branca.

"Foi triste", disse Jordyn, que joga no time de juniores de Piper. “E porque? Por que isso aconteceu conosco? Nós não estávamos fazendo nada. Estávamos simplesmente jogando vôlei”.

Voltar? Para onde? Jordyn, suas amigas e os nove jogadores negros de Piper nasceram nos Estados Unidos. "Como todo mundo", disse Jordyn. "Assim como as pessoas brancas."

O jogo, disputado em uma escola rural predominantemente branca, ocorreu três meses depois que Trump twittou que quatro congressistas minoritárias deveriam "voltar" para os "lugares totalmente destruídos e infestados de crimes de onde vieram".

Foi a primeira experiência de Jordyn com o racismo, ela disse. Mas não foi a primeira vez que os fãs de um jogo esportivo escolar usaram o presidente para atingir estudantes não brancos.

O Post descobriu que jogadores, pais ou torcedores usaram nomes ou palavras de Trump em pelo menos 48 casos relatados publicamente, lançando slogans odiosos a estudantes que competem em jogos de ensino fundamental e médio em 26 estados.

As violências foram gritadas em campos de futebol, futebol americano, basquete e vôlei. Quase 90% dos incidentes identificados pelo The Post foram direcionados a jogadores e torcedores não brancos, ou a equipes de escolas com grandes populações minoritárias. Mais da metade foi focada nos latinos.

Em um dos primeiros exemplos, os alunos de um jogo de futebol do ensino médio de Wisconsin em abril de 2016 cantaram "Trump, construa o muro!" para jogadores negros e latinos. Alguns meses depois, os alunos de um jogo de basquete do ensino médio no Missouri deram as costas e ergueram uma placa da campanha Trump / Pence enquanto a equipe adversária majoritariamente negra entrava na quadra. Em 2017, duas garotas do ensino médio do Alabama apareceram em um comício em um jogo de futebol com a placa “Coloque o pânico de volta na língua hispânica” e uma faixa “Trump Make America Great Again (‘Trump, faça a América grande de novo’)”.

No final de 2017, dois apresentadores de rádio anunciando um jogo de basquete no ensino médio em Iowa foram pegos descrevendo os jogadores latinos como "povo espanhol". "Como Trump diria", sugeriu um deles, "volte de onde vieram".

Ambos os apresentadores foram demitidos. Já após o incidente no Kansas, as consequências foram mais suaves. O distrito escolar oposto, Baldwin City, encomendou uma investigação e posteriormente afirmou que "não havia evidências" de zombarias racistas. Os administradores do sistema escolar da Piper rejeitaram a reclamação e responderam com uma declaração apoiando seus alunos.

Uma hora após o jogo, Jordyn lutou para manter os olhos secos ao embarcar no ônibus da equipe para casa. Quando os jogadores brancos insistiram que tudo ficaria bem, ela colocou os fones de ouvido e selecionou uma coleção de músicas sombrias. Ela limpou as bochechas.

Há muito tempo, Jordyn concluiu que Trump não a queria – ou "quem não é branco" – nos Estados Unidos. Mas ouvir outros estudantes gritarem era diferente.

Dias depois, sua professora de inglês pediu um ensaio sobre "o que é certo e o que é errado". Inicialmente, Jordyn achou que poderia escrever sobre os desafios que as pessoas transgêneros enfrentam. Então ela teve outra ideia.

"Os alunos estavam tirando sarro de nós porque éramos diferentes, como nossos cabelos e tom de pele", escreveu Jordyn. “Como você vai ficar bravo comigo e com meus amigos por ser negro...Eu me amo e todos vocês também devem”.

Ela leu em voz alta para a classe. Ela terminou, depois olhou para cima. Todos começaram a aplaudir.

Não são apenas os jovens apoiadores de Trump que atormentam os colegas de classe por quem eles são ou no que acreditam. Como um garoto da Carolina do Norte chegou a entender, crianças que se opõem ao presidente – crianças como ele – podem ser igualmente cruéis.

Pela estimativa de Gavin Trump, quase todo mundo em sua escola secundária em Chapel Hill vem de uma família democrata. Então, quando as crianças insistem em chamá-lo pelo sobrenome – mesmo depois que ele exige que parem – o garoto de 13 anos sabe que querem provocá-lo, tentando vincular o garoto ao presidente que despreza.

Na quinta série, os colegas perguntavam se ele era parente do presidente, sabendo que ele não era. Insinuavam que Gavin concordava com o presidente sobre imigração e outras questões polarizadoras.

"Eles viram meu sobrenome,Trump, e todos nós odiamos Trump, então foi como 'Todos nós odiamos você'", disse ele. “Eu estava tipo, ‘Por que você está me provocando? Não tenho nenhuma relação com Trump. Só temos o mesmo sobrenome’”.

Além de crianças como Gavin, a análise do Post também identificou dezenas de crianças em todo o país que sofreram bullying ou até agressão por causa de sua lealdade ao presidente.

Membros da equipe escolar em pelo menos 18 estados, de Washington a Virgínia Ocidental, marcaram alunos por usarem equipamentos de Trump ou darem apoio a ele. Entre os adolescentes, os confrontos às vezes se tornaram físicos. Uma estudante do ensino médio no norte da Califórnia disse que, depois de celebrar os resultados das eleições de 2016 nas mídias sociais, uma colega de classe a acusou de odiar mexicanos e a atacou, deixando a garota com o nariz ensangüentado.

Em fevereiro passado, um adolescente de uma escola de ensino médio em Oklahoma foi flagrado em vídeo arrancando uma placa de Trump das mãos de um aluno e batendo um boné vermelho MAGA (‘Make America Great Again’) na sua cabeça.

E na capital do país – onde apenas 4% dos eleitores votaram em Trump em 2016 – uma adolescente conservadora disse que teve que deixar sua prestigiada escola pública porque se sentia ameaçada.

Em um vídeo do YouTube, Jayne Zirkle, uma estudante do ensino médio, disse que o problema começou quando colegas da escola descobriram uma foto online de sua campanha por Trump. Ela disse que os alunos circularam a foto, a perseguiram online e a chamaram de supremacista branca.

A autoridade do sistema escolar disse que investigou as alegações e permitiu que Jayne estudasse em casa para garantir que se sentia segura.

"Muitas pessoas que eu pensei que eram meus melhores amigos de repente me deram as costas", disse Jayne. "As pessoas nem sequer olham para mim ou falam comigo."

Para Gavin, a provocação começou na quarta série, logo após Trump anunciar sua candidatura.

Depois de mais de um ano de provocações no pátio da escola, Gavin decidiu usar o sobrenome de sua mãe, Mather, quando começou o ensino médio. O adolescente tem sido proativo, solicitando que os professores o chamem pelo novo nome, mas fica mais complicado e estressante quando os substitutos são preenchidos. “Eu não mudei legalmente o sobrenome dele, então ‘Trump’ ainda aparece na lista”.

A provocação diminuiu, mas a troca não foi fácil. Gavin gosta do sobrenome real e temia que mudar isso prejudicaria os sentimentos de seu pai. Seu pai entendeu, mas para Gavin, a culpa permanece.

"Este é o meu nome", disse ele. "E eu estou abandonando meu nome."

Maritza Avalos sabe o que está por vir. É 2020. A próxima eleição presidencial é daqui a nove meses. Ela se lembra do que aconteceu durante a última, quando tinha apenas 11 anos.

"Faça suas malas", disseram as crianças. "Você recebe uma viagem grátis para o México."

Ela agora é caloura na Kamiakin High, a mesma escola estadual de Washington onde sua irmã mais velha, Cielo, confrontou os adolescentes que entoaram "Construa o muro" em um jogo de futebol no final de 2018. Maritza, 14 anos, acredita que as provocações que acompanharam a última campanha de Trump vão se intensificar neste pleito.

"Eu tento não pensar nisso", disse ela, mas para educadores em todo o país, a ameaça contínua de assédio político tem sido impossível de ignorar.

Em resposta, as escolas cancelaram eleições simuladas, baniram equipamentos políticos, treinaram professores, aumentaram a segurança, formaram grupos de mediação liderados por estudantes e criaram comitês para desenvolver políticas anti-discriminação.

Na Califórnia, a equipe da Riverside Polytechnic High School se prepara para as eleições presidenciais deste ano desde o dia seguinte ao último pleito. Em 9 de novembro de 2016, os conselheiros realizaram um workshop na biblioteca para os alunos compartilhassem seus sentimentos. Os apoiadores de Trump temiam que fossem marcados por suas crenças, enquanto as meninas que ouviram o presidente se gabar de agredir sexualmente mulheres preocupavam-se com o fato de os meninos se sentirem encorajados a fazer o mesmo com elas.

"Tratamos isso quase como uma crise", disse Yuri Nava, um conselheiro que desde então ajudou a expandir um clube estudantil dedicado a melhorar a cultura e o clima da escola.

A Riverside, que é 60% latina, também oferece três cursos – afro-americano, chicano e étnico – destinados a ajudar os alunos a se entenderem melhor, disse Nava. E, em vez de punir os estudantes quando eles usam raça ou política para intimidar, os conselheiros primeiro tentam reuni-los com suas vítimas para conversar sobre o que aconteceu. Muitas vezes, eles saem como amigos.

Em Gambrills, Maryland, a Arundel High School adotou uma abordagem semelhante. Mesmo antes de um aluno ser pego rabiscando a palavra ‘nigga’ (termo pejorativo usado contra negros) em seu caderno no início de 2017, Gina Davenport, diretora, estava preocupada com o efeito da retórica da eleição. Na escola, onde cerca de metade dos 2.200 estudantes são minorias, ela ouvia suas preocupações todos os dias.

Mas a calúnia racista, descoberta no mesmo mês da posse de Trump, levou a uma resposta concreta.

Uma aula de “Cidadania Comunitária Global”, agora obrigatória para todos os calouros do distrito, incentiva os alunos a explorar suas diferenças.

Uma lição recente foi sobre o uso do Twitter por Trump.

"O foco não era Donald Trump, o foco era ouvir: como transmitimos nossas idéias para que alguém ouça?", disse Davenport. "Ensinamos que podemos discordar um do outro sem deixar de ser amigos – o que não vemos acontecer na imprensa ou nos debates políticos de hoje".

Desde que a turma estreou no outono de 2017, as referências disciplinares por desrespeito diminuíram 25% a cada ano escolar, disse Davenport. A participação na equipe de discursos e debates da escola dobrou.

O curso aliviou a ansiedade de Davenport nas próximas eleições. Ela não espera um aumento no bullying racista.

"Conversa civilizada", disse ela. "As crianças sabem o que isso significa agora."

Muitas escolas não fizeram esse progresso e, nesses campi, os estudantes estão se preparando para mais abusos.

A irmã de Maritza, Cielo, disse a ela para se defender se os colegas de classe usassem as palavras de Trump para assediá-la, mas Maritza é mais quieta que sua irmã. A caloura não gosta de confronto.

Ela sabe, no entanto, que eventualmente alguém dirá algo – sobre o muro, talvez, ou sobre como as crianças que se parecem com ela não pertencem a este país – e, quando esse dia chegar, a menina espera que ela seja forte. /Colaborou Julie Tate

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.