Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
REUTERS/Ronen Zvulun
REUTERS/Ronen Zvulun

Retorno às normas democráticas pode ser a cola da frágil aliança em Israel; leia a análise

A democracia parlamentar do país mudou sob o governo de Netanyahu

Roger Cohen / THE NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2021 | 05h00

A coalizão formada para tirar Binyamin Netanyahu do poder parece uma receita para a instabilidade crônica e sua sobrevivência é o maior problema. 

A democracia parlamentar de Israel mudou sob Netanyahu. No final, seu estilo cada vez mais desdenhoso havia alienado muitas pessoas, especialmente entre aliados nominais da direita. O acordo para retornar às normas democráticas pode ser a cola da frágil coalizão.

“As partes são díspares, mas compartilham o compromisso de reconstituir Israel como uma democracia liberal funcional”, disse Shlomo Avineri, um proeminente cientista político. “Nos últimos anos, vimos Netanyahu começar a governar de forma semiautoritária.”

Naftali Bennett, o novo primeiro-ministro, prometeu que “o governo trabalhará para todo o público israelense - religioso, secular, ultraortodoxo, árabe - sem exceção, como um só. Vamos trabalhar juntos, por parceria e responsabilidade nacional, e acredito que teremos sucesso”. 

Mas o sucesso exigirá um compromisso constante. “Eles não vão lidar com questões altamente controvertidas entre esquerda e direita”, disse Tamar Hermann, professora de ciência política na Universidade Aberta de Israel. 

Na prática, isso significa que o novo governo provavelmente se concentrará nas questões internas de Israel em vez de nas relações externas. 

Ele também estará sob constantes e duros ataques do partido Likud, de centro-direita, de Netanyahu. “Não vai ser fácil”, disse Avraham Diskin, cientista político da Universidade Hebraica de Jerusalém. “Eu realmente duvido que (Yair) Lapid se torne primeiro-ministro daqui a dois anos.”

* É COLUNISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.