Retransmissora de TV boicota homenagem a mortos no Iraque

Pelo menos 25% dos telespectadores dos EUA não poderão assistir ao programa da rede ABC que leria, na noite de hoje (horário local), o nome de mais de 500 soldados americanos mortos no Iraque. Motivo: o Grupo Sinclair, dono de estações filiadas à ABC, prometeu boicotar o programa por considerá-lo de "motivação política."A revelação dos nomes será feita no popular programa Nightline, do apresentador Ted Koppel, em um quadro intitulado "Os caídos". A idéia foi tomada de uma edição da Life Magazine, de 1969, que mostrava fotos de soldados americanos na guerra do Vietnã - uma comparação sempre chocante para a opinião pública americana.A decisão de censurar o Nightline foi anunciada hoje. Para Barry Faber, vice-presidente do Sinclair, o programa é uma declaração de princípios "disfarçada de noticiário". "Koppel se fixou só nos mortos. Ele quer fazer com que a população se oponha à presença militar dos EUA no Iraque", argumentou.A ABC argumentou que o programa é uma "manifestação de respeito às famílias dos mortos." A direção da ABC lembrou que no primeiro aniversário dos atentados de 11 de setembro nos EUA, a rede leu no ar o nome das vítimas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.